Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.255,09
    -170,12 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Trabalhadora britânica receberá R$ 14 milhões em processo de discriminação

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Sexism. Group Of Businessmen Whispering Behind Back Of Victimized Latin Businesswoman In Modern Office. Females Discrimination Problem, Workplace Bullying Concept. Panorama, Selective Focus
Sexism. Group Of Businessmen Whispering Behind Back Of Victimized Latin Businesswoman In Modern Office. Females Discrimination Problem, Workplace Bullying Concept. Panorama, Selective Focus
  • Stacey Macken tinha um salário aproximadamente 25% inferior ao de seu colega homem;

  • No processo, Macken relatou um ambiente de trabalho degradante;

  • A britânica ainda não pode comentar o caso, mas afirmou que mulheres ainda enfrentam muitas barreiras.

A bancária britânica, Stacey Macken, irá receber 2 milhões de libras, ou 14 milhões de reais, após um julgamento de discriminação salarial.

Segundo informações do processo, o banco BNP Paribas, do qual Macken ainda é funcionária, pagava a funcionária um salário cerca de 25% inferior ao de um colega homem da mesma posição.

Além disso, sua bonificação de primeiro ano, dada aos funcionários com base em suas avaliações de desempenho, foi metade da bonificação de seu colega, apesar de ambos receberem notas similares.

Sua advogada, Sheila Aly, disse que este é um caso histórico, tanto por ser uma das maiores quantias já dadas nesse tipo de processo, quanto por ser contra um banco internacional de investimentos.

Para Aly, essa vitória judicial "envia uma clara mensagem à indústria de que este tipo de discriminação não é aceitável."

A funcionária não pode dar declarações pois ainda está em processo litigioso com o banco. No entanto, no processo ela descreveu seu ambiente de trabalho como sendo humilhante e tóxico.

De acordo com Macken, diversas vezes ela foi vítima de comentários degradantes e desrespeitosos, tendo inclusive encontrado um chapéu de bruxa em sua mesa.

"Quando chegar o momento, contarei minha história e as pessoas vão ficar escandalizadas ao saber as barreiras que as mulheres precisam superar para serem tratadas como seus colegas homens", foi o único comentário de Macken.

Procurada pela AFP, a empresa respondeu através de um porta-voz, admitindo que o banco realmente não cumpriu com suas obrigações legais com Macken.

A empresa disse já ter iniciado um programa de medidas corretivas para o problema da disparidade salarial. Dentre as etapas estão uma avaliação anual da igualdade salarial.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos