Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,23
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.744,50
    +4,20 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    16.259,60
    +106,40 (+0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,97
    +1,68 (+0,44%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.600,66
    +302,72 (+1,75%)
     
  • NIKKEI

    28.033,63
    -129,20 (-0,46%)
     
  • NASDAQ

    11.634,25
    +18,00 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5558
    +0,0066 (+0,12%)
     

Trabalhador faz sexo no trabalho, é demitido e processa empresa

Processo de demissão da empresa foi elogiado pelos magistrados pela educação e tentativa de não constranger.
Processo de demissão da empresa foi elogiado pelos magistrados pela educação e tentativa de não constranger.
  • Funcionário foi filmado por um terceiro, tendo sido demitido com base no vídeo;

  • Ex-empregado alegou que divulgação do vídeo causou danos na sua vida pessoal;

  • Processo de demissão foi elogiado pelos magistrados pela educação e tentativa de não constranger.

Um caso inusitado tramitou pela Justiça do Trabalho brasileira. Um trabalhador foi flagrado fazendo sexo dentro das dependências da empresa. A ação foi filmada e utilizada contra ele em seu processo de demissão. Após isso, o funcionário decidiu processar a empresa, alegando danos na esfera extrapatrimonial pela divulgação do vídeo.

O caso aconteceu em Minas Gerais e em primeira instância foi decidido desfavoravelmente pela 2ª Vara do Trabalho de Contagem. A decisão do juízo foi mantida pela Sexta Turma do TRT-MG, negando o recurso dos advogados do ex-empregado que alegavam que a exibição do vídeo era desnecessária para o processo de demissão.

O funcionário, que foi admitido na empresa em julho de 2007, foi dispensado em 2020 após ser flagrado fazendo sexo nas dependências da empresa com uma colega. Segundo ele, o vídeo foi filmado por alguém dentro da fábrica com o intuito de constrangê-los, encaminhando o vídeo para um superior.

Essa, contudo, foi utilizada para a demissão do ex-empregado em um procedimento que foi registrado em vídeo como forma da empresa se resguardar de possíveis processos futuros, o que foi elogiado pelos magistrados do processo que afirmaram que a empresa tomou a postura correta, educada e polida e que não tentou constranger as partes do vídeo.

Na dispensa estavam presentes os sócios da empresa, duas testemunhas e o profissional do RH, que juraram sigilo. Na filmagem o notebook com a filmagem estava virado apenas para o trabalhador e a colega, sem que nenhuma outra pessoa pudesse ver o conteúdo do vídeo. Os sócios avisaram que eles também tinham a opção de pedir para parar a exibição em qualquer momento.

"A exibição teve início com 1min45s da filmagem, que foi interrompida quase que imediatamente a pedido da parte envolvida. A seguir, o sócio perguntou se entenderam o motivo da dispensa, ao que responderam que sim. Logo após, falou do apreço que tinha por eles, mas que a conduta não poderia ser desconsiderada”, disse o relator.

Segundo os magistrados, tampouco há provas de que os sócios da empresa divulgaram o vídeo para outras pessoas. “Na própria petição inicial, consta a informação de que foi alguém que filmou o ato sexual”, afirmou o julgador. "O fato é que não há prova de que a empregadora tenha adotado qualquer procedimento irregular, de modo a ferir a honra ou a imagem do profissional”.