Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,53
    -0,48 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.792,40
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    23.335,88
    +150,19 (+0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,20
    -2,02 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,94 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.175,87
    +243,67 (+0,87%)
     
  • NASDAQ

    13.216,50
    -12,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2556
    -0,0849 (-1,59%)
     

Três chuvas de meteoros acontecem nesta semana! Saiba como ver

Um trio de chuvas de meteoros vai brilhar no céu nas próximas noites. A primeira delas é a Piscis Austrinídeos, cujo pico começa nesta quinta-feira (28); já as chuvas Delta Aquáridas Austrais e Alfa Capricornídeos terão seus picos no sábado (30). O período de pico deverá durar aproximadamente 48 horas, e todas poderão ser observadas no Brasil.

O radiante (nome dado ao ponto de onde os meteoros parecem vir) da chuva Piscis Austrinídeos é na constelação Peixe Austral, que ficará acima do horizonte na direção leste a partir das 19h21, no horário de Brasília; a chuva deverá se manter visível até o amanhecer, por volta das 6h17. O esperado é que essa chuva traga aproximadamente cinco meteoros por hora, e o melhor horário para vê-los é por volta das 2h ou 3h da madrugada, quando o radiante estará no ponto mais alto do céu, na direção sudoeste.

Registro da chuva de meteoros Perseidas (Imagem: Reprodução/NASA/JPL)
Registro da chuva de meteoros Perseidas (Imagem: Reprodução/NASA/JPL)

Já a chuva Delta Aquáridas Austrais tem dois radiantes. Um deles, o boreal, é mais visível no hemisfério norte; já o austral é mais visível no hemisfério sul, sendo também o mais ativo; no caso do Brasil, procure a chuva em direção à constelação de Aquário. O melhor horário para acompanhá-la é entre 2h e 3h da madrugada, quando ela estará na direção noroeste. Esta chuva pode exibir entre 20 e 30 meteoros por hora, mas vale lembrar que esta quantidade só pode ser vista nas melhores condições de observação.

Por fim, a chuva Alfa Capricornídeos fecha a sequência dos fenômenos com meteoros mais luminosos e há até chances de ocorrerem bolas de fogo, ou seja, meteoros com brilho comparável àquele de Vênus no céu noturno. O radiante desta chuva fica na constelação Capricórnio, e estará acima do horizonte durante a noite toda; o melhor horário para as observações é a partir da meia-noite, olhe para o leste.

Como é de costume quando o assunto são observações astronômicas, é importante dar preferência a locais distantes das luzes urbanas e aproveitar momentos sem nuvens no céu. Como a Lua estará na fase nova, o céu noturno estará ainda mais escuro, facilitando as observações.

O que é chuva de meteoros?

As chuvas de meteoros são formadas por fragmentos de objetos espaciais como cometas e asteroides, deixados para trás conforme eles orbitam o Sol. Quando a Terra atravessa a órbita deles, nosso planeta encontra também estes pedacinhos. “É como quando você está dirigindo através de uma nuvem de insetos; eles ficam espalhados pelo para-brisa”, disse o prof. Orsola De Marco, da Universidade Macquarie, na Austrália.

O cometa 96P/Machholz é a origem dos meteoros da chuva Delta Aquáridas Austrais (Imagem: Domínio público)
O cometa 96P/Machholz é a origem dos meteoros da chuva Delta Aquáridas Austrais (Imagem: Domínio público)

Ao atravessar a atmosfera da Terra, os detritos são queimados e formam meteoros (o nome dado ao fenômeno luminoso), que deixam belos rastros no céu. Já o nome dado às chuvas vem da constelação mais próxima do radiante — a chuva Delta Aquáridas Austrais, por exemplo, tem radiante mais próximo da estrela Delta Aquarii, na constelação Aquário.

Esta chuva vem de fragmentos do cometa 96P/Machholz, que completa uma órbita ao redor do Sol a cada cinco anos. Já o “pai” da chuva Alfa Capricórnideos é o cometa 169P/NEAT. Em paralelo, temos a chuva Piscis Austrinídeos, cujo objeto de origem ainda é desconhecido dos astrônomos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos