Mercado fechado

Toyota, Honda e Renault suspendem produção no Brasil por crise do coronavírus

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Toyota irá suspender a produção de veículos a partir de terça-feira (24) com retorno previsto para o dia 6 de abril, informou a montadora em nota nesta sexta-feira (20). A montadora ainda não informou o que será feito com os trabalhadores que ficarem em casa.

A paralisação ocorrerá nas quatro unidades industriais que estão localizadas no interior de São Paulo, nas cidades de São Bernardo do Campo, Sorocaba, Indaiatuba e Porto Feliz.

Segundo a montadora, ao todo são 6.000 colaboradores que operam nas quatro fábricas. Os da linha de produção estarão em férias coletivas, enquanto pessoas do setor administrativo irão fazer trabalho remoto.

A Honda também anunciou que a produção em Sumaré e Itirapina, no interior de São Paulo, será interrompida a partir de quarta-feira (25) durante 20 dias, com previsão de retorno para o dia 14 de abril. Segundo o comunicado, o período pode ser postergado em uma semana, com retorno para o dia 27 do mesmo mês. Já a fábrica de motos, localizada em Manaus (AM), segue funcionando com medidas adicionais de prevenção.

Os funcionários envolvidos no processo de produção entrarão em férias coletivas, enquanto colaboradores da área administrativa operam em home office. Para funções em que não é possível o trabalho remoto, está sendo praticado o escalonamento da equipe.

O Renault, que tem unidade em São José dos Pinhais (PR), irá paralisar sua operação a partir de quarta (25) até o dia 14 de abril.

Na quinta-feira (19), Ford, Volkswagen e Volvo Caminhões decidiram interromper a produção em suas fábricas para evitar a propagação do novo coronavírus entre seus funcionários.

A Volkswagen, que mantém quatro fábricas no país, fecha suas linhas de montagem por três semanas a partir de segunda (23). No dia 31, terá início o período de férias coletivas. A empresa afirma que as medidas são parte das ferramentas de flexibilização previstas em Acordo Coletivo de Trabalho. Na Argentina, que decretou quarentena total, a produção foi interrompida nesta sexta até o dia 31 de março.

A Ford confirmou que irá interromper a produção em suas plantas na América do Sul. A empresa produz veículos em Camaçari (BA), Taubaté (SP), na unidade da Troller em Horizonte (CE) e em Pacheco, na Argentina. A medida entra em vigor no Brasil no dia 23 de março e na Argentina, no dia 25. O objetivo é limitar a propagação do coronavírus.

As atividades no Brasil devem ser retomadas no dia 13 de abril. Na Argentina, o retorno está previsto para o dia 6 de abril.

A Volvo irá interromper a fabricação de ônibus e caminhões em Curitiba por quatro semanas a partir da segunda (30). A unidade tem 3.700 funcionários e também produz motores, caixas de câmbio e cabines.

Outras montadoras também já anunciaram férias coletivas por causa dos efeitos da pandemia do coronavírus na economia. Estão na lista a General Motors e a Mercedes-Benz.

Houve também demissões. A Caoa Chery desligou cerca de 50 trabalhadores da planta de Jacareí (interior de São Paulo). Em nota, a montadora diz que “a situação econômica do Brasil neste início de ano, agravada pela recente disparada do dólar, gerou uma grande e inesperada queda nas vendas do setor.”