Mercado fechado

Toyota converte clássico dos anos 1980 em versões zero emissão

A Toyota segue trabalhando para mostrar soluções rumo à descarbonização de sua frota de automóveis. A gigante japonesa aproveitou o Salão do Automóvel de Tóquio para mostrar duas unidades especiais do clássico esportivo Toyota GT-S dos anos 1980, convertidas em modelos zero emissão: um 100% elétrico e outro movido a hidrogênio.

A empresa entende que será difícil chegar a uma frota sem emissão de carbono até 2050, sua meta interna. Sendo assim, a estratégia, ao que tudo indica, será transformar carros já existentes em modelos zero emissão. Para isso, a Toyota deve retrofitar modelos de produção e desenvolvimento já avançados.

Toyota quer transformar carros a combustão em modelos zero emissão. Isso será possível? (Imagem: Divulgação/Toyota)
Toyota quer transformar carros a combustão em modelos zero emissão. Isso será possível? (Imagem: Divulgação/Toyota)

No caso do GT-S, a montadora aproveitou o powertrain do Toyota Mirai para criar o conceito AE86 H2, enquanto para a criação do AE86 BEV, foi utilizado um motor da picape híbrida Tundra, somada a uma bateria da versão mais avançada do Prius.

A Toyota, antes considerada a pioneira na eletrificação com a criação do próprio Toyota Prius, hoje parece ser uma empresa sem uma estratégia claramente definida para esse mercado, que cresce cada vez mais na indústria automotiva. Por enquanto, a montadora apresentou somente um modelo 100% elétrico para produção, o bZ4X, um SUV de porte médio.

Mesmo sem revelar dados relevantes de desempenho dos GT-S convertidos, a Toyota explicou que conseguiu manter o nível de paixão dos carros para seus fãs mesmo trocando os motores para versões zero emissão. E para quem conhece esse tipo de propulsor, sabe que isso é perfeitamente possível, já que o torque vem de modo imediato e muitos componentes tornam a manutenção desses propulsores mais simples.

O retrofit de modelos já existentes parece mesmo ser uma realidade no futuro da empresa. Como isso será feito é que ainda é um mistério.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: