Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.241,46
    +119,84 (+0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Torneira do gás russo para Europa se fecha pouco a pouco

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Rússia fechou a torneira do gás para Polônia, Bulgária e Finlândia, reduziu drasticamente o fluxo para Alemanha, Áustria e Itália, e a França não recebe mais nem um metro cúbico.

No quarto mês de guerra na Ucrânia, o presidente russo, Vladimir Putin, desafia a União Europeia (UE) com cortes de gás considerados como uma "chantagem".

De fato, Moscou pressiona onde mais dói e joga com a vulnerabilidade energética dos europeus, que consomem em média 40% do gás procedente da Rússia. Esse percentual é ainda maior em outros países: 55% no caso da Alemanha, e 85%, da Bulgária.

Na maioria dos países europeus, a escassez de gás ainda não é sentida, pois em pleno verão não é necessário ligar o aquecimento. Mas é justamente no período de verão que os países costumam reabastecer suas reservas, com o objetivo de estocar pelo menos 80% até novembro na UE.

A queda nas entregas eleva os preços, o que será caro para as indústrias, especialmente na Alemanha, cujas fábricas, muitas vezes diretamente conectadas a gasodutos, precisam de grandes quantidades de gás nas indústrias química, siderúrgica, de cimento e fertilizantes.

"Os russos usam o gás como arma há muito tempo", disse à AFP Thierry Bros, professor do Instituto Sciences Po de Paris.

"O Kremlin utiliza o princípio da incerteza para analisar nossa unidade e pressionar o mercado de commodities e empurrar os preços para cima", completou.

Nesta sexta-feira, a operadora da rede francesa de transporte de gás GRTgaz anunciou que não recebe gás russo por gasoduto desde 15 de junho, com a "interrupção do fluxo físico entre França e Alemanha".

O gás russo representa 17% do utilizado na França, aonde chega por gasoduto, ou em forma líquida em navios.

A oferta caiu 60% desde o início do ano, segundo a GRTgaz. Desde quarta-feira (15), a oferta foi reduzida a zero.

A GRTgaz não sabe a causa do corte, mas ocorre no momento em que a empresa russa Gazprom reduziu consideravelmente as entregas para a Alemanha através do gasoduto Nord Stream 1.

- Compras de GNL -

"Não devemos ter ilusões, estamos em confronto com Putin", disse o ministro alemão da Economia e do Clima, Robert Habeck, na quinta-feira (16), à televisão estatal.

"É uma decisão que ele toma arbitrariamente: é assim que ditadores e déspotas agem", acrescentou.

As consequências também são graves para a Itália, que receberá nesta sexta-feira apenas 50% do gás encomendado por sua empresa nacional Eni.

A Itália é altamente dependente do gás russo, porque importa 95% do gás que consome. Cerca de 40% de suas compras de gás no exterior foram procedentes da Rússia em 2021.

Na quinta, durante uma visita a Kiev, o chefe do Governo italiano, Mario Draghi, qualificou de "mentiras" as explicações dadas pela Gazprom para justificar a redução da oferta, incluindo operações de manutenção.

"A Gazprom não precisa de nenhuma justificativa. É uma decisão política do Kremlin. Está cortando de forma diferenciada para quebrar a unidade europeia", diz o especialista Thierry Bros.

A Europa, que no momento impôs um embargo ao petróleo russo, mas não ao gás, procura fontes alternativas para substituí-lo, especialmente pelo gás natural liquefeito (GNL).

A França, por exemplo, importa gás de outros países, como a Espanha, que aumentou sua oferta. E aumentou suas compras de GNL, que chega de navio.

ico-mdz/bt/meb/me/mr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos