Mercado abrirá em 8 h 58 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,35 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,43 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,57
    -0,19 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.802,40
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    23.835,50
    +521,94 (+2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    556,78
    +13,90 (+2,56%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,07 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.236,14
    +190,37 (+0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.031,51
    -217,73 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    13.217,25
    +34,00 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2097
    +0,0003 (+0,01%)
     

Tomar antibiótico após o sexo pode reduzir risco de ISTs

Um novo estudo apresentado na 24ª Conferência Internacional de AIDS em Montreal apontou que tomar antibiótico após o sexo pode prevenir pelo menos três infecções sexualmente transmissíveis (ISTs): clamídia, sífilis e gonorreia. O estudo utilizou a doxiciclina, comumente usada para tratar e prevenir a acne e a doença de Lyme.

O novo estudo envolveu 544 participantes considerados de alto risco para ISTs e a administração de uma dose de doxiciclina de 200 mg em até três dias após uma relação sexual sem proteção. Metade dos envolvidos vive com o vírus do HIV, e a outra metade faz uso do PrEP, medicamento que atua na prevenção do vírus.

Os pesquisadores observaram uma redução de 62% dos casos de gonorreia e clamídia no grupo que vivia com o HIV, e de 66% nos demais. O medicamento também se mostrou eficaz em prevenir a sífilis, reforçando o potencial como método de prevenção após o sexo desprotegido.

Entretanto, os pesquisadores temem que o uso do medicamento possa desencadear resistência a antibióticos nas três bactérias que causam essas doenças, o que dificultaria o seu tratamento no futuro. Para se ter um parâmetro, a que causa a gonorreia inclusive já é propensa a desenvolver essa capacidade.

Tomar antibiótico após o sexo reduz risco de ISTs, segundo estudo (Imagem: Sasin Tipchai/Pixabay)
Tomar antibiótico após o sexo reduz risco de ISTs, segundo estudo (Imagem: Sasin Tipchai/Pixabay)

O que acontece é que, com a exposição recorrente ao medicamento, o microrganismo eventualmente consegue desenvolver mutações que o levem a resistir ao efeito, então sua versão atualizada pode se replicar e acabar infectando outras pessoas, criando uma nova linhagem da bactéria que não responde ao tratamento.

O caso das resistências de bactérias a antibióticos é tão sério que já está entre as principais causas de morte no mundo. De qualquer forma, a prevenção de ISTs com o antibiótico é um importante passo para a ciência.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos