Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.130,64
    -1.073,47 (-1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

'Toda grande empresa inovadora já foi pequena', diz especialista em tendências de mercado

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Para inovar, não é preciso criar um novo aplicativo ou alguma ferramenta supertecnológica. Pequenas e médias empresas podem ser tão inovadoras quanto as grandes se estiverem atentas às necessidades dos consumidores e conseguirem transformá-las em produtos e serviços.

É o que afirma Paula Englert, diretora-executiva da consultoria de tendências Box 1824, que tem entre seus clientes grandes companhias, como Grupo RD (Raia, Drogasil e Onofre), ABInbev, Uber, Spotify e Google.

Para identificar tendências e entender a fundo como os brasileiros consomem, a Box 1824 entrevista milhares de pessoas todos os anos —no último, foram 4.000. Além disso, a consultoria recorre a dados de institutos de pesquisas, estudos acadêmicos e consultas com especialistas de áreas que vão desde antropologia até economia.

Englert ressalta que toda grande companhia que conseguiu transformar o segmento no qual atua —ou até criou um novo modelo de negócio— começou pequena.

Ela cita os setores de alimentação e vestuário, nos quais negócios menores têm sido bem-sucedidos no atendimento a nichos. O crescimento do número de restaurantes veganos é uma evidência desse movimento, afirma.

Para a especialista, a proximidade dos pequenos empreendimentos com seu público-alvo é uma grande vantagem a longo prazo, uma vez que uma grande tendência para os próximos anos é a busca por uma relação de afetividade com os produtos e serviços que são consumidos.

"Estamos saindo daquele pensamento de que aquilo que vem de fora é melhor", diz ela, acrescentando que essa é uma tendência vista não só no Brasil, mas em toda a América Latina, região acostumada a considerar produtos estrangeiros como superiores.

"O consumidor está buscando cada vez mais o que é local. O pensamento agora é: ‘O que está próximo de mim é melhor e me representa’."

Como exemplo desse movimento, Englert cita o crescimento da venda direta, seja por aplicativos de mensagens, seja presencialmente. Consumidoras de cosméticos, mesmo que escolham grandes marcas, preferem comprar das vendedoras que já as conhecem, diz a especialista.

No setor de alimentação também fácil identificar essa preferência. Fornecedores de refeições prontas e restaurantes de bairro vêm crescendo com o aumento da procura por comida caseira.

Na prática, essa valorização da proximidade se traduz em um atendimento mais humano e individualizado.

Nas grandes empresas, o relacionamento com o consumidor é regido por uma série de políticas corporativas que tiram a autonomia do funcionário para resolver um problema de forma personalizada, diz Englert. "Mesmo que você esteja falando com uma pessoa, muitas vezes parece que é um robô. São tantas regras, tantos roteiros, que você despessoaliza aquela relação."

Outra grande tendência apontada pela Box 1824 é a preocupação com saúde, que a passa a ser vista não só como ausência de doenças, mas como bem-estar geral, que inclui saúde mental, afirma Englert

"A saúde se torna uma premissa das decisões que eu tomo: onde eu trabalho, como eu me alimento e me desloco."

Ela cita como exemplo os carros, que vinham perdendo relevância à medida que aplicativos e meios de transporte com menor impacto ambiental ganhavam espaço. Esse panorama mudou com a pandemia, afirma a especialista.

"O veículo passou a ser um espaço de proteção. A relação com o carro foi ressignificada por causa dessa necessidade de cuidar da saúde."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos