Mercado abrirá em 8 h 59 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,52
    +0,47 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.686,50
    +8,50 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    53.808,29
    +3.033,37 (+5,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.086,56
    +62,35 (+6,09%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.967,41
    +426,58 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    28.999,83
    +256,58 (+0,89%)
     
  • NASDAQ

    12.450,75
    +153,50 (+1,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9724
    +0,0126 (+0,18%)
     

TNT Sports pode ter prejuízo na transmissão do Brasileirão 2021 se perder equipes para a Série B

LANCE!
·1 minuto de leitura


A WarnerMedia, empresa dona da TNT Sports, antigo Esporte Interativo, teme ter prejuízo com as transmissões do Brasileirão 2021. O canal terá no mínimo 12 partidas a menos para transmitir na próxima temporada mas mesmo com um prejuízo, a emissora não abrirá mão do campeonato. A informação é de Gabriel Vaquer, do UOL.

> Confira a classificação atualizada do Brasileirão 2020 e simule os resultados

A TNT Sports perdeu os direitos de transmissão do Internacional, que terminam o contrato nesta temporada, e pode ficar sem a transmissão de Fortaleza, Bahia e Coritiba, que estão brigando para não cair para a Série B. Assim, a WarnerMedia fica apenas com os jogos do Palmeiras, Santos, Athletico Paranaense e Ceará garantidos na Série A 2021.

O Juventude é a única equipe da Série B com chances de subir que tem contrato com a WarnerMedia, mas ainda pode perder o acesso na última rodada do campeonato. Já o Cuiabá, único time classificado para a Série A sem contrato de direitos de transmissão, está negociando seus direitos com o Grupo Globo e não deve fechar com a TNT Sports.

Para Gláucia Montanha, diretora-geral da Convert Publicidade, "os pacotes de futebol precisam evoluir para uma conversa de negócio e ser mais do que uma compra de mídia".

- O que está acontecendo é que a audiência está ficando pulverizada sobre o tema e fica difícil para o anunciante focar em um pacote que também fica pulverizado. Nesse cenário, o digital cresce porque consegue permear melhor o tema e a audiência - explicou a executiva.