Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.154,47
    +2.858,29 (+2,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.817,63
    -72,03 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,56
    -0,20 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.809,10
    +12,80 (+0,71%)
     
  • BTC-USD

    62.977,95
    +2.371,98 (+3,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.506,86
    +1.264,18 (+520,93%)
     
  • S&P500

    4.567,52
    +22,62 (+0,50%)
     
  • DOW JONES

    35.736,50
    +59,48 (+0,17%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.514,25
    +173,25 (+1,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4324
    -0,1484 (-2,26%)
     

TJ-SP bloqueia R$ 144 mil da Precisa Medicamentos e envia autos à CPI da Covid

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 01.09.2021 - Senadores participam da CPI da Covid, que investiga as irregularidades do governo federal na compra de vacinas contra o novo coronavírus. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 01.09.2021 - Senadores participam da CPI da Covid, que investiga as irregularidades do governo federal na compra de vacinas contra o novo coronavírus. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A 27ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) confirmou decisão do tribunal de bloquear bens da Precisa Medicamentos, empresa envolvida nas negociações para a compra da vacina indiana Covaxin pelo governo federal.

Também foi determinado o "imediato envio de cópia integral dos autos em primeiro grau" à CPI da Covid.

A decisão foi tomada em um processo aberto pelo Laboratório Côrtes Villela, que, em janeiro deste ano, assinou um contrato com a Precisa para comprar 7.201 doses da vacina contra a Covid-19, produzida pelo laboratório Bhrat Biotech.​

Cada dose de vacina, de acordo com o contrato, custaria US$ 38. O laboratório disse à Justiça ter pago R$ 142.217,24 de sinal (10% do total). Os imunizantes seriam entregues até 30 dias após a publicação do registro da vacina pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Como a Anvisa indeferiu o pedido de certificação da vacina, as empresas assinaram um distrato no mês de maio, mas, de acordo com o processo, a Precisa não devolveu os valores adiantados.

"A ré vem sendo investigada por participação alegada em uma série de ilícitos penais e civis, envolvendo a compra das vacinas da Covaxin, de forma superfaturada e fraudulenta, fatos que são gravíssimos, por Comissão Parlamentar de Inquérito no Senado Federal, a denotar sério risco de não pagamento dos valores antecipados pela autora. Há, assim, perigo de dano e risco ao resultado útil do processo", diz o desembargador Alfredo Attié, relator do agravo.

"Pede, em sede de tutela de urgência, a indisponibilidade de bens da ré, no valor de R$ 144.042,67, bem como, ao final, a procedência do pedido de cobrança", segue Attié.

​Os desembargadores Angela Lopes e Luís Roberto Reuter Torro participaram do julgamento. A decisão se deu por unanimidade.

Como o jornal Folha de S.Paulo mostrou em junho, há outros processos envolvendo a Precisa. A Clinica de Vacinas MDC, de Porto Alegre (RS), chegou a desembolsar R$ 66,4 mil da primeira parcela da compra das vacinas, mas não recebeu uma única ampola até agora —e processa a Precisa para ser reembolsada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos