Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.448,26
    +84,87 (+0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

TJ-SP autoriza YouTube a remover vídeos negacionistas sobre covid

Na última quarta-feira (25), o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) autorizou o YouTube a remover conteúdos negacionistas em relação à covid-19 do canal Aliados Brasil, que solicitou o retorno dos vídeos na plataforma após a decisão, porém teve o pedido negado.

Publicados no ano passado, os vídeos traziam desinformação em relação ao cenário da pandemia. Dentre as falas estavam discursos contra a vacina e o uso de máscaras. Em um dos vídeos, uma das pessoas associadas ao canal diz que “as máscaras não adiantam nada”, além de supostamente propiciarem uma “maior transmissão do vírus”.

Além disso, outra pessoa também chegou a descredibilizar a eficiência das vacinas contra a covid-19 em outro vídeo, dizendo que "a vacina não presta para nada, e então para que fazer vacina? Para que gastar milhões e milhões, bilhões e bilhões de dólares pelo mundo todo com a aquisição de vacinas e imunização das pessoas?".

TJ-SP autoriza YouTube a remover vídeos negacionistas sobre covid (Imagem: Reprodução/Freepik)
TJ-SP autoriza YouTube a remover vídeos negacionistas sobre covid (Imagem: Reprodução/Freepik)

Para o desembargador do TJ-SP, Mário de Oliveira, os conteúdos negacionistas publicados pelo canal podem prejudicar na luta contra a eliminação da doença. Ele também ressaltou que se trata de um tema "sensível" e com "aptidão de gerar sérias consequências deletérias a quem consome o conteúdo".

Segundo Oliveira, as alegações falsas por parte do dono do canal e os seus entrevistados estão na "contramão das determinações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e das autoridades locais de saúde”.

O desembargador disse que a sua decisão considera a liberdade de expressão e o respeito por ideologias diversas, mas ele reforçou que o YouTube possui políticas e regras claras que proíbem a existência de conteúdos negacionistas, sobretudo aqueles contra a vacinação e os cuidados em relação à covid-19.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos