Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.954,70
    +2.575,78 (+2,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.674,92
    +407,72 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,90
    +1,84 (+4,27%)
     
  • OURO

    1.804,80
    -33,00 (-1,80%)
     
  • BTC-USD

    19.024,09
    +572,13 (+3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,24
    +8,48 (+2,29%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.079,00
    +173,75 (+1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3874
    -0,0529 (-0,82%)
     

TJ do Rio terá Vara exclusiva para crimes de menor potencial ofensivo

Extra
·1 minuto de leitura
Na foto, o presidente do TJRJ Claudio de Mello Tavares
Na foto, o presidente do TJRJ Claudio de Mello Tavares

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) aprovou nesta segunda-feira a criação da Vara de Penas e Medidas Alternativas (Vepema). O setor ficará encarregado de tratar apenas de crimes de menor potencial ofensivo. Nestes casos, as penas são de até dois anos de prisão ou detenção e podem ser substituídas por medidas alternativas.

De acordo com o presidente do TJRJ, desembargador Claudio de Mello Tavares, a Vepema será criada a partir da transformação de uma Vara que já existe. Assim, não haverá aumento nas despesas do Tribunal. A criação pretende ainda desafogar a Vara de Execuções Penais (VEP), que passará a cuidar exclusivamente da execução de penas impostas por crimes de maior potencial ofensivo.

— Com a aprovação da Vepema, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro dá a merecida importância à Justiça Restaurativa — defendeu o presidente do TJRJ.

Nova direção: Claudio Castro troca o secretário estadual de Administração Penitenciária

Há um ano, o TJRJ instalou a 1ª Vara Criminal Especializada do estado, que também visava acelerar o fluxo de trabalho no judiciário. Neste caso, três juízes passaram a cuidar de processos envolvendo exclusivamente atividades de organizações criminosas, como lavagem de dinheiro, milícia, corrupção e ocultação de bens e valores.