Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.342,38
    -67,64 (-0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Tinder terá que indenizar mulher que teve fotos usadas em perfil fake no app

·2 min de leitura

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve decisão de primeira instância que havia condenado o aplicativo de relacionamentos Tinder a indenizar uma mulher que teve suas fotos e número de telefone divulgados sem o seu conhecimento. A Corte definiu o valor em R$ 5 mil, referente a danos morais, e ordenou a remoção imediata no perfil da plataforma.

A divulgação indevida ocorreu em abril de 2020, quando a vítima recebeu uma mensagem no seu WhatsApp de um usuário do Tinder. Sem entender o ocorrido, ela descobriu haver um perfil falso do app com duas fotos dela e seu número de telefone, publicados de forma não autorizada. Mesmo após as tentativas de contato com o serviço para exclusão do perfil, a vítima não foi atendida e precisou buscar ajuda na Defensoria Pública para tentar resolver o caso.

Uma mulher teve um perfil falso criado no Tinder e precisou recorrer à Justiça para apagá-lo (Imagem: Divulgação/Tinder)
Uma mulher teve um perfil falso criado no Tinder e precisou recorrer à Justiça para apagá-lo (Imagem: Divulgação/Tinder)

Nem a intimidação do órgão jurídico foi suficiente para que o problema fosse resolvido: o escritório de advocacia representante do Tinder no Brasil disse não ter sido possível localizar a conta por falta de informações e alegou que só poderia excluir algo mediante determinação judicial.

Em primeira instância, a juíza Patricia Persicano Pires, da 3ª Vara Cível de São Miguel Paulista, determinou ao app de relacionamento que identificasse e bloqueasse a conta, com definição de uma indenização de R$ 3 mil por danos morais, valor ampliado pela Defensoria em recurso posterior. Na ocasião, como houve recurso do app, o caso seguiu para decisão colegiada em instância superior.

Ao analisarem o caso, os desembargadores da 9ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP entenderam ser dever da empresa apurar denúncias de uso indevido de imagem e tomar medidas para remoção do perfil fake, mesmo sem ordem judicial, por se tratar de premissa estabelecida na Constituição Federal. Assim, a empresa foi notificada e deverá ressarcir a vítima pelos transtornos causados.

Ainda cabe recurso da decisão, mas o Tinder Brasil não se manifestou até o momento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos