Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.051,43
    -1.638,26 (-2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Tinder pode criar moeda virtual para facilitar a busca pelo match ideal

·2 minuto de leitura

O Tinder pode apresentar em breve uma moeda virtual para ofertar novos recursos inéditos e incentivar usuários a passar mais tempo na plataforma. A ideia é que as pessoas acumulem esses recursos para fazer compras de melhorias para o perfil e até para troca de dinheiro real, ao estilo do que ocorre no TikTok e no Kwai atualmente.

Essas moedinhas serão acumuladas pelo tempo que permanecerem ativos no site, mas não está claro se haverão tarefas diárias ou requisitos extras para acumular os recursos. O que se sabe é que elas poderão ser compradas com dinheiro de verdade para uso na para aquisição de jogos e vantagens como Super Likes ou Boosts — uma alternativa para quem quer dar um único destaque no perfil, mas sem o vínculo de assinante.

Após trazer novos recursos para a paquera, agora o Tinder quer prender as pessoas por mais tempo no aplicativo (Imagem: Divulgação/Tinder)
Após trazer novos recursos para a paquera, agora o Tinder quer prender as pessoas por mais tempo no aplicativo (Imagem: Divulgação/Tinder)

O Tinder é um aplicativo freemium, ou seja, no qual as pessoas podem usá-lo sem pagar ou aderir a um sistema de assinaturas que dão recursos exclusivos, como filtros, omissão de anúncios, impulsionamento de perfil (ele aparece para as pessoas com mais frequência) e a capacidade de identificar quem demonstrou interesse no seu perfil.

Um modelo alternativo

Essa novo sistema de remuneração será algo independente ao modelo de assinaturas, mas pode ajudar a elevar a quantidade de arrecadação na plataforma, pelo menos essa é a perspectiva da Match, empresa dona do Tinder. Conforme a empresa, os pequenos testes de mercado realizados recentemente revelaram que as pessoas estão mais dispostas a investir recursos nos apps de relacionamento, provavelmente em razão da solidão do distanciamento social e da fragilidade causada pela pandemia.

As moedinhas podem ajudar a tornar as assinaturas mais populares (Imagem: Captura de tela/Canaltech)
As moedinhas podem ajudar a tornar as assinaturas mais populares (Imagem: Captura de tela/Canaltech)

As moedas digitais podem ter um papel fundamental nisso porque incentivariam as pessoas a passar mais tempo conectadas e expostas aos recursos do aplicativo, bem como experimentar recursos não testados antes, como os Super Likes. Os benefícios seriam duplos: ganhar dinheiro enquanto paquera e ainda ter a chance de conhecer sua alma gêmea.

Por enquanto, a moeda será lançada em caráter experimental apenas na Austrália, local onde há a maior base global de usuários do app, até o final de outubro. Não há previsão de chegada a outras localidades, mas o Brasil provavelmente entraria nessa rota, caso haja uma expansão futura.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos