Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.828,72
    +1.908,11 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.254,09
    +319,18 (+0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,75
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.833,00
    +17,30 (+0,95%)
     
  • BTC-USD

    57.615,84
    +1.429,16 (+2,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.489,94
    +54,16 (+3,77%)
     
  • S&P500

    4.232,43
    +30,81 (+0,73%)
     
  • DOW JONES

    34.776,44
    +227,91 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.725,50
    +127,75 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3593
    -0,0073 (-0,11%)
     

Time de Guedes defende enxugar R$ 18 bi em emendas parlamentares da PEC fura-teto

FÁBIO PUPO, THIAGO RESENDE E BERNARDO CARAM
·5 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, BRASIL, 08-03-2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, concede entrevista no Palácio do Planalto. (Foto: Raul Spinassé/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, BRASIL, 08-03-2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, concede entrevista no Palácio do Planalto. (Foto: Raul Spinassé/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A ideia de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) para retirar despesas do teto de gastos e ao mesmo tempo liberar espaço para emendas parlamentares não reuniu consenso entre governo e aliados.

Apesar da resistência, o Ministério da Economia insiste na necessidade da proposta para liberar medidas ligadas ao combate à pandemia. Para isso, a pasta propôs uma versão mais enxuta do texto.

Um interlocutor da ala política do governo afirmou à reportagem que o Executivo não deve apresentar a PEC no formato que circulou nos últimos dias. A mesma pessoa ressaltou que a proposta era apenas uma das possibilidades aventadas para resolver os impasses com os gastos neste ano.

O Ministério da Economia diz que a versão do texto que circulou nesta semana está desatualizada e descartada, mas que continua discutindo uma proposta —em formato mais restrito— para acomodar certos gastos extraordinários com a pandemia.

Isso valeria para abrigar principalmente medidas como compra de vacinas e programas de emprego e de crédito. A ideia é retirar o trecho que abre caminho para emendas e obras fora do teto, o que havia gerado críticas de analistas.

As mudanças são comentadas após uma reação do mercado à proposta. Diante das incertezas sobre os gastos em 2021, o real teve o pior desempenho global entre as moedas na segunda-feira (12), com o dólar fechando em alta de 0,9%, a R$ 5,7258.

Apesar da repercussão negativa, técnicos do ministro Paulo Guedes (Economia) ainda afirmam que uma nova PEC é necessária para dar respaldo às medidas de saúde, crédito e emprego ligadas à Covid. Isso porque há um receio no Ministério da Economia de que atos do Executivo possam ser questionados por órgãos de controle por eventual desacordo com regras fiscais.

A PEC —em uma versão mais enxuta— seria uma forma de dar segurança jurídica aos programas.

Entre os receios de integrantes da pasta está o temor de responsabilização caso algum órgão de controle decida que, como a crise da Covid-19 começou no ano passado, não seria permitida a abertura de crédito extraordinário (instrumento autorizado pela Constituição apenas em casos urgentes e imprevisíveis).

Agrava a insegurança dos membros da Economia o fato de o Orçamento ainda não ter sido sancionado —o que, teoricamente, possibilitaria modificações para abrigar as despesas ligadas à Covid sem necessidade de flexibilizações na legislação.

O Orçamento de 2021 ainda está à espera da sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por ter uma série de problemas —inclusive a previsão de uma pedalada nos mesmos moldes da que derrubou Dilma Rousseff, conforme mostrou o jornal Folha de S.Paulo.

O receio dos técnicos foi comentado publicamente pelo secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco. "Ainda que lancemos mão de crédito extraordinário, existe a preocupação de que não teremos a segurança necessária. Porque você poderia ter o espaço para fazer dentro do Orçamento. E o crédito, constitucionalmente falando, está fora do Orçamento. E se não temos o Orçamento, isso cria uma insegurança para tudo isso”, disse Bianco há menos de duas semanas.

Com a nova versão da PEC, a Economia ganharia passe livre definitivo para os programas enquanto avalia que os valores desta vez não causarão susto no mercado. O entendimento na equipe econômica é que parte dos créditos extraordinários já estavam contabilizados pelo mercado financeiro.

É o caso de R$ 10 bilhões para programa de corte de jornada e salário do trabalhador, cujo objetivo é evitar demissões em massa. Assim, se insistir na ideia de uma PEC, Guedes deve atacar o desejo da ala política de colocar obras (emendas parlamentares) fora do teto.

Apesar das discussões, a proposta não reúne consenso na equipe econômica. Enquanto uma ala mais rigorosa com as regras defende uma nova PEC, outra ala não vê motivo para receios e até considera difícil emplacar a ideia da nova PEC por considerar complicado o trabalho de articulação perante o Congresso.

Toda a discussão sobre uma nova PEC acontece pela resistência de Guedes a acionar o dispositivo da calamidade pública. O instrumento aprovado pelo Congresso em março, por meio da PEC Emergencial, permitiria uma liberação ampla de gastos para a pandemia. Mas o ministro evita essa saída.

Guedes combinou com o Congresso no começo do ano que a PEC teria a cláusula de calamidade —mas sua ideia era que, em contrapartida pelo acionamento do dispositivo, seriam vedadas outras despesas (como o reajuste para servidores) por até três anos.

O problema é que o Congresso modificou o trecho e restringiu a limitação de gastos somente para o exercício da calamidade. Como os salários de servidores já estão congelados neste ano, o ministro vê esse tipo de medida como inócua e considera o acionamento do dispositivo um cheque em branco.

“[Ao] apertar hoje o botão de calamidade, você seguraria os salários [de servidores], que já estão travados até dezembro. Seria apenas uma licença para gastar, um cheque em branco. Em vez de ser um sinal de estabilidade, seria o contrário”, disse o ministro recentemente.

A proposta ventilada nesta semana gerou controvérsia ao suspender as principais regras fiscais (como o teto de gastos) para ao menos R$ 35 bilhões em despesas, sendo que R$ 18 bilhões seriam direcionados a “outras despesas para atenuar os impactos sanitários, sociais e econômicos agravados durante o período da pandemia de Covid-19”.

O trecho não especifica o que pode receber tais recursos, abrindo espaço até para obras de infraestrutura via emendas parlamentares.

Felipe Salto, diretor-executivo da IFI (Instituição Fiscal Independente, órgão do Senado que monitora as contas públicas), afirma que a nova PEC seria um equívoco. "É inacreditável o que estamos vendo na gestão fiscal e orçamentária", afirmou. "Não vai dar certo. Abre-se a caixa de pandora da contabilidade criativa. É preciso ter claro: risco altíssimo", disse Salto.

Em outras ocasiões, o economista já defendeu que não seria necessário aprovar uma PEC para fazer gastos emergenciais. A avaliação é que as regras atuais já permitem a liberação desses recursos com urgência, bastando que o governo ajuste a meta fiscal e a regra de ouro por meio de instrumentos legais mais simples do que uma emenda constitucional.

Por outro lado, lideranças partidárias próximas a Bolsonaro já defendem nos bastidores que o governo avalie a decretação de calamidade para enfrentar a pandemia, que segue em aceleração.