Mercado abrirá em 7 h 46 min
  • BOVESPA

    101.016,96
    -242,79 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.245,86
    -461,86 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,74
    +0,18 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.910,10
    +4,40 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    13.108,68
    +6,49 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,21
    -2,20 (-0,84%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.631,93
    -286,85 (-1,15%)
     
  • NIKKEI

    23.397,16
    -97,18 (-0,41%)
     
  • NASDAQ

    11.492,75
    +0,50 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6473
    +0,0068 (+0,10%)
     

TIM vê SP como ponto de partida da retomada e anuncia 63 novas lojas no Estado

Rodrigo Carro
·1 minuto de leitura

Segundo o presidente da companhia, abertura de mais unidades pode ser ainda maior se confirmada a compra da Oi pelo consórcio formada por suas três concorrentes O presidente-executivo da TIM Brasil, Pietro Labriola, informou hoje em coletiva on-line que a operadora irá abrir 63 novas lojas, como parte de um plano de expansão comercial no Estado de São Paulo. Da Itália, Labriola esclareceu que 42 dessas unidades serão inauguradas este ano e 21, em 2021. O executivo anunciou ainda a abertura de um escritório regional em Campinas (SP). De acordo com ele, 60% das novas lojas estarão situadas no interior de São Paulo. Ao todo, serão gerados 336 postos de trabalho. Labriola explicou que, com o investimento, a operadora pretende “deixar uma mensagem positiva” com relação à recuperação da economia brasileira. A aposta da TIM é de que a recuperação econômica do país, passada a pandemia, terá início pelo Estado de São Paulo. “Um projeto desse tipo não tem break even [ponto de equilíbrio financeiro] em três meses”, frisou. Pietro Labriola, da TIM Brasil, anunciou abertura de 63 novas lojas no Estado de SP Maira Vieira/Valor De acordo com o diretor comercial da TIM em São Paulo, Bruno Vasconcelos, das 42 lojas previstas para este ano, 22 abriram as portas nos últimos dois meses e as 20 restantes serão inauguradas nos próximos meses. Labriola afirmou que, se confirmada, a possível aquisição das operações móveis da Oi por suas três principais concorrentes resultaria na abertura de mais lojas pela TIM no país. Ele classificou com um “percurso normal” a abertura de lojas em outros Estados, além de São Paulo, e acrescentou que isto acontecerá mesmo se não for adiante a compra dos ativos móveis da Oi por Claro, TIM e Telefônica Brasil (Vivo). Juntas, as três fizeram uma proposta firme no valor de R$ 16,5 bilhões pela operação móvel da Oi. “Independentemente do assunto da Oi, vamos abrir lojas em outros Estados”, pontuou o executivo. Se a aquisição for concluída, a incorporação de novos clientes — hoje na base da Oi — vai viabilizar a abertura de novas lojas da TIM, acrescentou Labriola, já que para inaugurar novas unidades é necessário ter um número mínimo de clientes na região. Fibra óptica Labriola disse ainda que a operadora concluirá neste ano a escolha de um parceiro para investir no mercado de FTTH (sigla em inglês para fibra óptica até a casa do cliente), por meio da criação de uma empresa de rede neutra. O executivo informou que há mais de 20 acordos de confidencialidade (NDAs, na sigla em inglês) assinados com interessados, de diferentes tipos. Segundo ele, há parceiros “puramente financeiros” e outros ligados ao ramo industrial. No momento, a TIM trabalha para elaborar uma lista reduzida de forma a facilitar a escolha final até o fim do ano. “A nossa intenção é de acelerar a cobertura de FTTH. Por essa razão, fizemos um anúncio de que até o fim do ano vamos escolher o nosso parceiro para TIM Live [serviço de banda larga da operadora] para construir uma empresa de rede neutra que vai nos ajudar a acelerar o crescimento da cobertura de FTTH”, disse Labriola durante a coletiva on-line.