Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,57
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.753,80
    -41,00 (-2,28%)
     
  • BTC-USD

    47.599,43
    -583,91 (-1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.209,85
    -23,43 (-1,90%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.505,50
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1848
    -0,0112 (-0,18%)
     

Tim Cook vai receber da Apple bolada bilionária em pagamento final de contrato

·2 minuto de leitura

No comando da Apple há dez anos, Tim Cook ainda não tem previsão para deixar o cargo de CEO na Maçã — embora tenha confirmado que não se vê participando dela na próxima década. Quando isso eventualmente acontecer, o executivo terá uma fortuna ainda maior, especialmente com a bolada que vai receber nesta semana: o contrato dele prevê que seu "pagamento final" será de 5 milhões de ações da companhia, avaliadas atualmente em US$ 750 milhões (ou R$ 3,9 bilhões).

O pagamento generoso é parte do acordo que Cook fez quando assumiu o cargo de CEO da companhia, após Steve Jobs deixar a função devido a problemas de saúde — isso não quer dizer que ele vai deixar de receber salário depois disso, apenas que uma das cláusulas de seu registro para a parceria de longa data inclui esse montante no modelo de remuneração combinada. Entre os requisitos para receber os 5 milhões de ações estava a meta de valorização de cada cota. Ele tinha que ultrapassar, nos últimos três anos, um montante atrelado aos papeis de 2/3 das empresas listadas no índice S&P 500, que monitora o desempenho de grupos na Bolsa de Valores de Nova York. E conseguiu.

Imagem: Divulgação/Apple
Imagem: Divulgação/Apple

Ao assumir o cargo em 2011, o executivo teve como principal objetivo diversificar os dispositivos oferecidos pela companhia, com foco prioritário em serviços. Ao mesmo tempo em que lançou novos produtos, Cook também consolidou o sucesso de aparelhos como o iPhone e o iPad, além de fortalecer o ecossistema da App Store — como resultado, ele levantou um patrimônio líquido avaliado pelo Bloomberg em US$ 1,5 bilhão (R$ 7,8 bilhões). Parte dessa fortuna será doada, segundo o próprio CEO.

Cook não pretende manter a fortuna

Em 2015, o executivo afirmou que não pretende guardar para si as grandes fortunas que conquistou, cuja maior parte já foi doada ou será doada futuramente. Ao assumir o cargo de CEO em 2011, ele teve como principal desafio suceder o sucesso obtido por Jobs, considerado até hoje um dos nomes mais influentes e visionários do mundo da tecnologia.

Com um perfil mais técnico e focado em números, Cook conseguiu aumentar em 1.100% os retornos gerados pelas ações da companhia — somente em 2021, os papéis já foram valorizados em 12%. Ainda sem ter um sucessor em mente, atualmente ele enfrenta desafios regulatórios que envolvem acusações de monopólio da App Store e questionamentos sobre a maneira como lida com dados sensíveis de clientes, especialmente em países como a China.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos