Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.450,69
    +118,28 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

TikTok teria botão secreto para manipular vídeos e perfis de seu interesse

O TikTok é acusado de ter uma espécie de botão secreto para promover determinado tipo de conteúdo no feed dos usuários. Na prática, isso significaria que a plataforma consegue determinar o que cada pessoa vai visualizar, gerando tendências de maneira artificial e favorecendo conteúdos de interesse do serviço, como manipular a opinião pública ou incentivar debates.

A afirmação veio de fontes e documentos analisados pela revista Forbes. Segundo a publicação, a ByteDance pode modificar o algoritmo para enfatizar polêmicas, por exemplo, aumentando os índices de audiência para vídeos que tratem sobre aquilo e dando maior exposição para o perfil.

O Tiktok é acusado de ter um botão para manipular o algoritmo a favor de criadores e marcas de interesse (Imagem: cottonbro/Pexels)
O Tiktok é acusado de ter um botão para manipular o algoritmo a favor de criadores e marcas de interesse (Imagem: cottonbro/Pexels)

O material analisado chama o recurso de heating (aquecimento, em português), porque ele serve justamente para dar uma "esquentada" nas coisas. Se um vídeo estratégico não está bem, o botão pode ser acionado para gerar um número maior de visualizações.

É claro que isso é restrito ao feed "Para Você", sem impactar nos conteúdos das contas que o usuário segue. Mesmo assim, a maioria das pessoas tem por hábito usar o feed de recomendações, porque ele é o padrão da plataforma, então o botão acaba trazendo resultados positivos.

Botão de impulsionamento artificial

Conforme o relato das fontes, o recurso é essencial para atrair influenciadores e marcas, buscando firmar possíveis parcerias. Além disso, teria sido usado em momentos estratégicos para diversificar o conteúdo, como uma maneira de atrair criadores de nichos menos populares no TikTok.

Os próprios funcionários da empresa admitem ter usado o botão para promover suas próprias contas e de conhecidos, o que obviamente contraria as regras da empresa. Não há relatos de "venda de alcance", mas algo assim poderia até ter estimulado um mecanismo de corrupção interno.

Não está claro se esse impulsionamento artificial seria algo voluntário, uma decisão estratégica do serviço ou se haveria algum pagamento externo para beneficiar criadores. Em todos os cenários possíveis, isso não seria nada positivo, porque mostra uma manipulação do algoritmo fora das "regras tradicionais do jogo".

Já sob a ótica financeira, é impossível dizer o quanto de dinheiro pode ter gerado para a plataforma. Fato é que ações promocionais do incentivadas pelo serviço podem ter sido impulsionadas, embora não se saiba quais.

TikTok segue sob olhar atento dos reguladores

Em resposta às acusações, um porta-voz do TikTok confirmou que a empresa promove vídeos para ajudar na diversificação da experiência de conteúdo. Esse recurso seria usado também para apresentar celebridades e incentivar criadores emergentes a se fortalecer junto à comunidade. Não há, contudo, nenhuma menção ao uso irregular do recurso, seja para uso pessoal, seja para ajudar o governo da China.

A notícia pode não cair em um bom momento para a plataforma da ByteDance, acusada de espionagem nos Estados Unidos e está sob escrutínio da União Europeia. Apesar de o serviço estar sempre trazendo recursos de segurança, um "botão de aquecimento" poderia colocar em dúvida os investimentos feitos em mídia paga e a própria credibilidade do serviço.

O caso lembra muito uma polêmica recente chamada Twitter Files. O caso envolvia a criação de listas paralelas pela diretoria do Passarinho Azul para limitar a visibilidade de contas que fossem contra seus interesses. O objetivo era quase o mesmo daqui: favorecer perfis e reduzir o alcance de assuntos contrários aos ideais do Twitter.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: