Mercado fechará em 5 h 7 min
  • BOVESPA

    111.760,81
    -163,12 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,54
    +2,56 (+3,20%)
     
  • OURO

    1.807,20
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    17.249,71
    +301,96 (+1,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    408,93
    +7,51 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.586,17
    +29,94 (+0,40%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.953,00
    -57,25 (-0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5409
    +0,0469 (+0,85%)
     

TikTok pode entrar no ramo de comércio eletrônico no Brasil

O TikTok pode ser mais uma companhia gigante a entrar no mercado de comércio eletrônico no Brasil em 2023. A empresa parece estar se preparando para trazer o TikTok Shop já no primeiro trimestre do próximo ano, em uma tentativa de rivalizar com outras grades concorrentes como Magazine Luiza, Amazon, Shopee e Mercado Livre.

A informação foi divulgada pelo site NeoFeed, que teve acesso a supostos planos da chinesa ByteDance para o mercado global de e-commerce. Uma fonte não identificada teria dito que a ideia é bater de frente com a Amazon e a AliExpress, mas que também deve impactar nas operações locais.

Um dos indícios da expansão é o LinkedIn. Na rede social corporativa é possível ver ao menos 15 vagas da ByteDance para atuar em comércio eletrônico no Brasil. Esse pode ser um movimento estratégico da companhia para diversificar suas fontes de renda, que hoje estão muito vinculadas aos anúncios no TikTok.

Além das compras via app, o TikTok Shop deve oferecer um serviço externo de comércio (Imagem: Reprodução/Douyin)
Além das compras via app, o TikTok Shop deve oferecer um serviço externo de comércio (Imagem: Reprodução/Douyin)

Com sede na China, a dona do TikTok deve apostar forte na exportação de produtos do seu país natal para o Brasil. Uma logística especial estaria sendo montada para garantir a entrega rápida, um dos maiores empecilhos para quem compra no exterior.

Modelo de compras chinês

No país oriental, o Douyin (versão original do app de vídeos curtos) já tem um serviço similar que movimenta mais de US$ 100 bilhões e mais de 10 bilhões de produtos em 2021. Os chineses da ByteDance entraram para esse mercado em 2020, impulsionados pela pandemia e a elevação no consumo. O diferencial foi a aposta em vendas maiores, não somente atrelada aos influenciadores digitais, como outras redes sociais fizeram.

O TikTok Shop chegou ao Reino Unido no ano passado, mas não decolou como o esperado. Por aqui, há várias empresas muito populares, especialmente pelos preços baixos, como a Shein, a AliExpress e a Shopee.

O TikTok não se manifestou até o momento sobre o assunto. Como ainda falta algum tempo para a provável estreia, o anúncio oficial pode ficar somente para o ano que vem.

É difícil saber se a plataforma de comércio vai bombar por aqui. O Instagram, o Pinterest e o YouTube já lançaram serviços de venda de mercadorias online, mas nunca emplacaram. O TikTok já tem suporte à criação de lojas virtuais e integradas a influenciadores, graças a uma parceria com a Shopify. O serviço ainda lançou um app focado em vendedores: o TikTok Seller, disponível apenas no sudoeste asiático.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: