Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.214,90
    +3.591,20 (+6,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

TikTok estaria planejando estreia no mercado de delivery de produtos

·2 minuto de leitura

Você já imaginou poder comprar comida no TikTok? Na China, isso pode ser possível em breve. A dona da plataforma de vídeos curtos, a gigante ByteDance, teria concluído seus testes com o app de delivery irmão da rede social, o Xindong Waimai, que é integrado à rede social por lá e ficou dois meses em avaliação.

Segundo o site Tech Planet, pelo TikTok, os tradicionais vídeos curtos exibidos na vertical seriam utilizados para apresentar ofertas e encorajar o consumo. O app Xindong Waimai funcionaria com entrega em domicílio (delivery) e também na modalidade de retirada direta no balcão (takeout).

As promoções e os anúncios seriam exibidos na seção de transmissões ao vivo. Na publicidade de qualquer produto, preço e detalhes do vendedor (nome, endereço e meios de contato) seriam colocados em destaque.

Pedir comida no TikTok tornaria a relação entre o consumidor e uma marca ainda mais próxima (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)
Pedir comida no TikTok tornaria a relação entre o consumidor e uma marca ainda mais próxima (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)

Direto no app

Se gostar de alguma oferta, o consumidor não precisaria sair do app para finalizar a compra. Bastaria aceitar a oferta, preencher as informações de pagamento e escolher o método de obtenção do produto (retirada ou entrega). Se preferir receber em casa, valor adicional pode ser cobrado.

Assim como os apps de delivery populares no Brasil, o serviço funcionaria com base na proximidade — ou seja, com base na cidade em que estão situados os clientes e os estabelecimentos. Promoções e cupons também seriam destacados na plataforma, então não é nada muito diferente do que outros serviços semelhantes fazem atualmente.

Colocar produtos no meio de uma plataforma de conteúdo reduz ainda mais a separação entre o consumidor e o vendedor. É literalmente encontrar um anúncio em alguma rede social (o que é fácil, já que são exibidos em excesso) e aproveitar a oferta direto no app, sem muitos toques nem downloads extras.

Quanto à disponibilidade, é pouco provável que isso seja expandido para regiões além da China. Por lá, a ByteDance tem uma forte presença como prestadora de serviços, enquanto no restante do mundo a empresa é vista majoritariamente através do TikTok e outras plataformas menores, como o app de streaming de músicas Resso.

De qualquer maneira, é um movimento que pode, no futuro, casar com as lojas virtuais que estrearam recentemente no app em várias partes do mundo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos