Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.899,55
    -401,19 (-0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

TikTok é a segunda plataforma mais importante para marketing de influenciadores

Rui Maciel
·3 minuto de leitura

Pesquisa feita pela agência digital Linqia aponta que o TikTok deixou de ser uma aposta e se tornou uma realidade das mais fortes no mundo das redes sociais. Isso porque a plataforma de vídeos curtos da ByteDance é o segundo canal mais popular para realizar campanhas de marketing envolvendo influenciadores. Ele só fica atrás do badalado Instagram, mas já empata com o Facebook em popularidade para ações do tipo.

Para chegar a essa conclusão, a Linqia entrevistou 163 profissionais de marketing corporativo e também profissionais de agências - ambos com receitas superior a US$ 1 bilhão anuais - entre fevereiro e março deste ano sobre seus planos de marketing de influência para 2021. E 68% desses profissionais que participaram da pesquisa disseram que planejavam usar o TikTok para ações do gênero.

Trata-se de um salto gigantesco da rede social em relação à última edição da pesquisa da Linqia, feita no início de 2020. Isso porque, na época, apenas 16% dos entrevistados estavam dispostos a usar a plataforma para suas campanhas envolvendo influenciadores. Enquanto isso, o Facebook caiu de 79% para 68%, como você pode conferir na relação completa logo abaixo:

  • Instagram: 93% (outros 83% mencionaram usar especificamente os Stories)

  • TikTok: 68% (em 2020: 16%)

  • Facebook: 68% (em 2020: 79%)

  • YouTube: 48%

  • Pinterest: 35%

  • Twitter: 32%

  • Snapchat: 26% (em 2020:16%)

  • Twitch: 13% (em 2020: 5%)

"Veio para ficar"

Em entrevista ao site Business Insider em janeiro deste ano, Brian Sorel, COO da empresa de marketing de influência NeoReach, afirmará que "o TikTok veio para ficar e as marcas sabem disso. Eu acho que nada se compara ao ritmo de crescimento que estamos vendo no TikTok."

A declaração de Sorel vai de encontro ao investimento das empresas. Marcas como Dunkin', Chipotle , e CeraVe lançaram várias campanhas publicitárias no TikTok envolvendo influenciadores. E isso inclui uma de suas maiores estrelas: Charli D'Amelio.

Já marcas do chamado "fast fashion" como norte-americana Princess Polly, estão apoiando uma nova geração de influenciadores de moda na plataforma, além de marcas de luxo como Hugo Boss e Revolve. Mesmo serviços de streaming , como Netflix, investiram recursos na tentativa de aproveitar o poder viral do TikTok.

Instagram olhando no retrovisor

Quem agora está olhando a ascensão do TikTok é o Instagram. Ainda que a plataforma audiovisual do Facebook se mantenha como a preferida entre os profissionais de marketing de influência, a ascensão da rede social da ByteDance começa a colocar uma pressão que, até o ano passado, não existia.

Os executivos do Instagram vêm apostando no Reels - ferramenta de vídeos verticais de curta duração semelhante ao do TikTok - para tentar deter o crescimento do seu rival chinês. Se a copiar o rival foi um tanto quanto criticado na época do seu lançamento, hoje o Reels ganhou tração e caiu no gosto de alguns criadores de conteúdo. Tanto que outras plataformas lançaram soluções idênticas, como o YouTube e seu Shorts, e o Snapchat com o Spotlight.

Ainda assim, ainda que o Reels tenha sido adotado por diversos influencers, a ferramenta ainda fica atrás de outros recursos do Instagram junto aos departamentos de marketing das empresas. Na pesquisa de Linqia, apenas 36% dos entrevistados indicaram que planejavam usar Reels.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: