Mercado fechará em 3 h 52 min
  • BOVESPA

    113.579,39
    +67,01 (+0,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.416,42
    -385,26 (-0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,40
    -0,13 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.776,80
    -12,90 (-0,72%)
     
  • BTC-USD

    23.400,15
    -490,95 (-2,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    554,99
    -17,82 (-3,11%)
     
  • S&P500

    4.262,01
    -43,19 (-1,00%)
     
  • DOW JONES

    33.895,32
    -256,69 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.515,75
    -20,31 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    19.922,45
    +91,93 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    29.222,77
    +353,86 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    13.425,50
    -232,75 (-1,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2620
    +0,0302 (+0,58%)
     

TikTok age como uma 'loja de doces' no cérebro de crianças, diz jornal

·2 min de leitura
O efeito de vídeos do TikTok no cérebro seria similar ao da dopamina. Foto: Getty Images.
O efeito de vídeos do TikTok no cérebro seria similar ao da dopamina. Foto: Getty Images.

Resumo da notícia:

  • Reportagem publicada pelo jornal norte-americano The Wall Street Journal demonstra como o TikTok impacta a capacidade de atenção das crianças;

  • Artigo publicado no jornal científico NeuroImage em 2021 examinou o efeito da plataforma nos centros de recompensa do cérebro;

  • Exames de ressonância magnética dos participantes que assistiram a vídeos personalizados tiveram altos picos de ativação na parte de dependência do cérebro.

Redes sociais e, principalmente o TikTok, estão impactando negativamente a capacidade de atenção das crianças. Isso é o que diz uma reportagem publicada pelo jornal norte-americano The Wall Street Journal.

A matéria cita um artigo apresentado no jornal científico NeuroImage em 2021, que examinou o efeito da plataforma no cérebro, analisando como vídeos personalizados, quando comparados aos de interesse geral, influenciam os centros de recompensa mental.

Leia também:

No estudo, exames de ressonância magnética dos participantes que assistiram a vídeos personalizados tiveram altos picos de ativação na parte de dependência do cérebro, demonstrando que estes indivíduos lutaram para controlar quando parar de vê-los.

O Dr. Michael Manos, diretor clínico do Centro de Atenção e Aprendizagem da Cleveland Clinic Children's, diz que “a atenção direcionada é a capacidade de inibir distrações e manter a atenção adequadamente. Requer habilidades de ordem superior, como planejamento e priorização”.

Segundo Manos, crianças geralmente lutam com essa habilidade porque o córtex pré-frontal não fica completamente desenvolvido até os 25 anos.

“Se o cérebro das crianças se acostuma a mudanças constantes, o cérebro acha difícil se adaptar a uma atividade não digital onde as coisas não se movem tão rápido”, observa o diretor clínico.

O TikTok tem um algoritmo de personalização dos feeds de vídeo baseados no tempo em que estes são assistidos, alternando em seguida para um conteúdo similar.

Contudo, ao que parece, a empresa já está trabalhando em maneiras de fazer com que o algoritmo diversifique os vídeos.

Segundo a reportagem, o cérebro libera o neurotransmissor dopamina quando antecipa uma recompensa, e o prazer gerado com um vídeo viral faz com que o indivíduo deseje mais daquilo constantemente.

O especialista em ética tecnológica e autor de livros James Williams afirma que é o efeito nas crianças é como se as deixassem viver em uma loja de doces para depois pedir que ignorassem as guloseimas e passassem a comer um prato de legumes.

*As informações são do The Wall Street Journal e NeuroImage.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos