Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.455,86
    -1.843,79 (-4,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

The Economist mostra Cristo Redentor respirando em cilindro de oxigênio

·1 minuto de leitura
Capa da revista The Economist
Capa da revista The Economist
  • Revista britânica mostra Cristo respirando ligado a cilindro.

  • Imagem é referência à crise do coronavírus.

  • Brasil tem hoje segundo maior número de óbitos registrados por Covid-19.

A nova capa internacional da revista britânica The Economist, uma das mais tradicionais publicações do mundo e especializada na cobertura econômica, mostra uma montagem com o Cristo Redentor, símbolo do Brasil e do Rio de Janeiro, usando respirador ligado a um cilindro de oxigênio.

Leia também:

A imagem é uma referência simbólica à crise da pandemia do coronavírus que afeta desde o ano passado o país, sua economia e principalmente sua população.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

“A década lúgubre do Brasil”, diz o título da capa, que traz uma reportagem especial sobre o país, e os impactos da pandemia.

“Poucos países caíram tão rápido quanto o Brasil”, escreve a revista. “Nossa capa sobre América Latina nesta semana argumenta que se o Brasil quiser se recuperar, ele precisa reconhecer o que deu errado.”

O Brasil é hoje um dos países mais afetados do mundo pela doença, por conta do mau gerenciamento das autoridades federais sobre a crise.

A falta de estratégia e uma série de equívocos no tratamento da pandemia fizeram com que o Brasil se tornasse hoje o segundo maior número de mortes registradas do mundo, com mais de 460 mil óbitos, atrás apenas dos Estados Unidos.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube