Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.185,51
    +83,52 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.593,57
    -914,78 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,14
    -0,41 (-0,48%)
     
  • OURO

    1.831,30
    -11,30 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    38.146,83
    -4.855,69 (-11,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    898,08
    +655,40 (+270,07%)
     
  • S&P500

    4.432,25
    -50,48 (-1,13%)
     
  • DOW JONES

    34.482,94
    -232,45 (-0,67%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.567,50
    -273,50 (-1,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1866
    +0,0565 (+0,92%)
     

Teve participação do Brasil no lançamento do telescópio James Webb! Saiba mais

·2 min de leitura

O lançamento do telescópio espacial James Webb, ocorrido neste sábado (25), contou com participação brasileira. O observatório foi lançado das instalações do Centro Espacial Guianês (CSG), na Guiana Francesa com um foguete Ariane 5, monitorado pela Estação de Telemedidas do Centro de Lançamento Barreira do Inferno (CLBI). A estação é localizada em Parnamirim, no Rio Grande do Norte.

Atualmente, existem 5 estações de telemedidas envolvidas no rastreamento de lançamentos equatoriais — a brasileira, presente em Natal, tem papel indispensável por poder acompanhar foguetes ainda em fase de propulsão. As equipes em solo começaram a receber os primeiros dados de telemetria do Webb cinco minutos após o foguete deixar a base.

Apesar de o lançamento ter acontecido no sábado, a preparação das equipes envolvidas na operação começou no dia anterior. Tudo correu bem e o CLBI atuou como uma estação remota do Centro Guianês, realizando o rastreamento das telemedidas da extinção e separação do terceiro motor do veículo, ignição do quarto, entre outros eventos.

Maria Goretti Dantas, coordenadora da interface com o Centro Espacial Guianês, celebrou o desempenho brasileiro no lançamento do novo observatório. “Temos uma equipe técnica muito profissional, capacitada e envolvida plenamente nos processos do rastreio. O CLBI deixa a sua marca na história espacial internacional diante do evento que o mundo aguardou ansiosamente”, disse.

Já Carlos Moura, presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), também destacou a atuação do CLBI durante o lançamento. "Nossa estação de telemedidas do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno desempenhou-se, mais uma vez, com o já reconhecido profissionalismo", disse o presidente, ao Canaltech. "São os brasileiros que, no anonimato de uma longa e sempre delicada sequência de horas de preparação, deram sua contribuição para esse feito singular".

Em sua fala, Moura ressaltou ainda que o James Webb representa a abertura um novo capítulo na história da ciência astrofísica e da tecnologia espacial. Com sensibilidade 100 vezes maior que a do Hubble, o novo telescópio fará observações na luz infravermelha para estudar cada fase da história do universo, indo desde as primeiras estrelas que brilharam após o Big Bang até a formação de sistemas planetários e estelares — incluindo o Sistema Solar. “O CLBI já participou de outros lançamentos históricos, mas a missão James Webb deixou a sensação de um nascimento inusitado, de uma criança espacial entregue ao conhecimento científico”, finalizou Dantas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos