Mercado abrirá em 9 h 31 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    +0,62 (+1,38%)
     
  • OURO

    1.807,90
    +3,30 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    18.994,53
    -73,96 (-0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    376,72
    +6,97 (+1,88%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.912,06
    +323,86 (+1,22%)
     
  • NIKKEI

    26.591,84
    +426,25 (+1,63%)
     
  • NASDAQ

    12.161,50
    +85,50 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4012
    +0,0043 (+0,07%)
     

Testes rápidos de Covid em pessoas assintomáticas geram cautela

Emma Court
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Um dos primeiros estados a receberem testes de coronavírus rápidos e de baixo custo do governo dos Estados Unidos está alertando contra o uso em pessoas assintomáticas, um grupo que deveria se beneficiar mais da tecnologia.

Testes de antígeno como o da Abbott Laboratories, que procuram proteínas virais reveladoras, podem não detectar algumas infecções que podem ser identificadas por testes mais caros e de melhor padrão, e também podem dar falsos positivos. Testes rápidos não são recomendados para pessoas sem sintomas que não foram expostas a um paciente com Covid-19, e os que se submetem a um teste desse tipo devem ser informados sobre as limitações, disse o Departamento de Saúde de Louisiana em diretriz emitida na semana passada.

As recomendações destacam problemas com testes como o BinaxNOW de US$ 5 da Abbott, no qual o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA está gastando US$ 750 milhões e que foram usados na Casa Branca. Autoridades de saúde estaduais estão cada vez mais inclinadas a pensar que pessoas sem sintomas devem ser examinadas com testes da reação em cadeia da polimerase, que são mais caros, porém mais confiáveis, devido às preocupações com o desempenho dos testes rápidos, de acordo com Jeff Engel, assessor sênior do Conselho de Estado e Epidemiologistas Territoriais.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos “fez esta compra sem quaisquer estudos sobre o novo uso em que estão implantando esses testes”, disse Engel. “Acho que isso é descuido.”

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos está fornecendo testes de antígeno para uso em pessoas sintomáticas e assintomáticas, disse Mia Heck, porta-voz da agência, por e-mail. Testes de antígeno rápidos e acessíveis ajudam a desacelerar a propagação do vírus, e testes como o BinaxNOW, quando usados como pretendido, podem detectar pessoas com maior probabilidade de serem infecciosas, disse a Abbott por e-mail.

A FDA, agência que regula alimentos e fármacos nos EUA, também emitiu um alerta sobre testes de antígeno na terça-feira, dizendo que podem dar resultados positivos incorretos. Os problemas são mais prováveis em populações com baixa prevalência do vírus ou quando o teste é realizado incorretamente, disse a FDA em comunicado.

Lares de idosos e outros centros de cuidado relataram casos de falsos positivos em testes de antígeno, disse a FDA. Qualquer tipo de teste está sujeito a algumas imprecisões e é importante seguir as instruções para os testes de antígeno, confirmar os resultados quando necessário e considerar a probabilidade de um falso positivo, disse a agência.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.