Mercado abrirá em 35 mins
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,69
    +0,94 (+1,57%)
     
  • OURO

    1.722,10
    -11,50 (-0,66%)
     
  • BTC-USD

    51.538,91
    +2.710,44 (+5,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.028,96
    +40,86 (+4,14%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.664,46
    +50,71 (+0,77%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.127,00
    +71,75 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8712
    +0,0091 (+0,13%)
     

Testes de estresse do Fed incluem piora do desemprego e mercados

Jesse Hamilton
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Federal Reserve não planeja ser mais brando nos próximos testes de estresse e prepara cenários hipotéticos para bancos de Wall Street que incluem um forte aumento do desemprego e queda do mercado acionário.

Em comunicado na sexta-feira, o Fed detalhou cenários para 2021, mas ainda não deu sinais de que o banco central planeja flexibilizar as restrições impostas aos pagamentos de dividendos em meio à pandemia de coronavírus.

Em uma segunda rodada de testes sem precedentes no ano passado, o Fed aumentou os problemas simulados para refletir melhor o estrago real causado pela pandemia. O banco central dos EUA manteve rigorosamente esse modelo em seus novos exames, com o objetivo de testar se os bancos podem continuar a emprestar se o desemprego subir mais de quatro pontos percentuais, para quase 11%, as ações perderem mais da metade do valor e os preços dos imóveis comerciais caírem 40%.

O Fed adapta novos cenários a cada ano para garantir que Wall Street possa sobreviver a uma crise, e a Covid-19 representou o primeiro grande obstáculo econômico desde que os testes foram introduzidos após a crise financeira de 2008. O teste deste ano visa apenas os 19 maiores bancos e mais complexos. Bancos regionais menores serão isentos devido à recente mudança para um ciclo de dois anos.

“O setor bancário forneceu suporte fundamental para a recuperação econômica no ano passado”, disse o vice-presidente para supervisão do Fed, Randal Quarles, no comunicado. “Embora a incerteza permaneça, este teste de estresse dará ao público informações adicionais sobre sua resiliência.”

Os resultados dos testes geralmente determinam quanto do excesso de caixa de um banco pode ser devolvido aos investidores por meio de ações e dividendos. Mas, durante a pandemia, o Fed estabeleceu limites adicionais para a devolução de capital, medida flexibilizada no final do ano passado ao permitir a retomada das recompras de ações. Alguns limites para dividendos permanecem, e o Fed terá que decidir em breve se estende as restrições além de março.

Todos os megabancos dos EUA acumularam altos níveis de capital por causa das restrições do Fed, e as instituições, incluindo JPMorgan Chase e Citigroup, começaram a recomprar ações.

Como todos os grandes bancos se saíram bem na última rodada de testes de estresse - apesar da grave crise -, devem repetir o desempenho neste ano. Ao final de 2021, talvez possam novamente avaliar quanto capital podem retornar aos investidores, o que dependerá dos resultados desses novos cenários.

Os resultados desta nova rodada de testes sairão em 30 de junho. Embora o Fed não tenha feito um anúncio sobre dividendos na sexta-feira, Quarles disse anteriormente que o objetivo é normalizar a situação o mais rápido possível.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.