Mercado abrirá em 7 h 46 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,09
    -1,57 (-1,90%)
     
  • OURO

    1.800,60
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    59.244,03
    -1.354,59 (-2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.420,18
    -54,15 (-3,67%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.573,24
    -55,50 (-0,22%)
     
  • NIKKEI

    28.831,45
    -266,79 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    15.615,25
    +28,00 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4263
    +0,0016 (+0,02%)
     

Teste para covid-19 da Fiocruz Minas recebe registro da Anvisa

·2 minuto de leitura

Para diagnosticar a covid-19 de forma eficaz e mais barata, inúmeros estudos brasileiros buscaram soluções para este desafio. Agora, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o registro de um novo teste sorológico para identificar anticorpos do coronavírus SARS-CoV-2, desenvolvido pelo CT-Vacinas. O grupo é formado por pesquisadores da Fiocruz Minas — também conhecido como Instituto René Rachou — e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O novo teste da covid-19 foi apelidado de Kit Elisa covid-19 IgG, porque se baseia no método imunoenzimático Elisa. De forma geral, este método oferece menores riscos para falsos negativos da covid-19, devido a sua elevada sensibilidade. Em outras palavras, as estratégias adotadas pelo teste da Fiocruz pode detectar baixos níveis de anticorpos e, por isso, é considerado mais preciso.

Teste de anticorpos da Fiocruz Minas é registrado pela Anvisa (Imagem: Reprodução/Fiocruz Minas)
Teste de anticorpos da Fiocruz Minas é registrado pela Anvisa (Imagem: Reprodução/Fiocruz Minas)

Em entrevista anterior para a Agência Brasil, o pesquisador do CT-Vacinas, Flávio Fonseca, explicou: “O teste que desenvolvemos detecta a presença de anticorpos contra o vírus. O soro é coletado e o resultado, analisado no laboratório, utilizando uma reação enzimática que se expressa no leitor”. Na época, a tecnologia ainda era validada.

Outro diferencial é que o teste consegue detectar as principais variantes do coronavírus. “A proteína usada neste teste possui uma baixa taxa de mutação que se associa com os variantes, o que faz com que o exame possa identificar a presença do vírus em qualquer uma dessas variantes”, explica o pesquisador Ricardo Gazzinelli, coordenador do estudo.

Teste da covid da Fiocruz deve ser produzido em massa

O teste foi 100% desenvolvido no Brasil e, quando produzido em massa, deve garantir mais autonomia para o país no que se refere à testagem da covid-19. Segundo Gazzinelli, com a aprovação da Anvisa, o kit já deve ser distribuído aos laboratórios de campanha.

De acordo com nota divulgada pela Fiocruz Minas, o escalonamento dos processos e toda a produção dos testes será realizado pelo Instituto Bio-Manguinhos, outra unidade da Fiocruz situada no Rio de Janeiro.

Para ser desenvolvido, o projeto recebeu apoio da RedeVírus, ligada ao Ministério da Ciência Tecnologia e Informações (MCTI), que destinou cerca de R$ 10 milhões. Além disso, o Kit Elisa também contou com o financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Vacinas (INCT-V).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos