Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,07
    -0,08 (-0,12%)
     
  • OURO

    1.814,40
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.799,30
    +1.357,82 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,06
    +50,30 (+5,43%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.081,00
    +7,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1183
    0,0000 (0,00%)
     

Teste do Facebook alerta usuários para publicações extremistas

·1 minuto de leitura
O Facebook e outras plataformas eletrônicas estão sob pressão para impedir a disseminação de desinformação e publicações que levem à violência, ao ódio e à discriminação

Um teste feito pelo Facebook com pop-ups perguntando aos usuários se eles achavam que seus amigos estavam se tornando extremistas gerou preocupação entre conservadores americanos nesta sexta-feira. O porta-voz da rede social, Andy Stone, explicou no Twitter que os alertas surgiram de uma iniciativa para combater o extremismo violento.

As funções da “Redirect Initiative” têm como objetivo encaminhar as pessoas que usam nas buscas termos relacionados ao ódio ou violência para outras opções, justificou o Facebook. A rede social informou que as buscas relacionadas a supremacia branca nos Estados Unidos são redirecionadas para o grupo Life After Hate, que propõe intervenções em casos de crises relacionadas a ações de ódio.

Imagens dos alertas compartilhadas no Twitter mostram mensagens perguntando aos usuários se eles estavam preocupados com o fato de alguém conhecido estar se tornando um extremista, ou se eles haviam sido expostos a conteúdo extremista.

O político republicano do estado da Virgínia Nicholas Freitas está entre aqueles que compartilharam uma imagem do alerta do Facebook em sua conta no Twitter. "Tenho uma séria preocupação de que alguns tecnocratas de esquerda estejam criando um ambiente orwelliano no qual as pessoas são silenciadas arbitrariamente por dizerem algo de que a 'polícia do pensamento' não gosta", expressou em sua publicação.

O Facebook e outras plataformas eletrônicas estão sob pressão para impedir a disseminação de desinformação e publicações que levem à violência, ao ódio e à discriminação. O gigante das redes sociais reforçou recentemente as ferramentas automatizadas, para ajudar os moderadores de grupos que lutam para manter intercâmbios civilizados, em uma época de visões conflitantes.

gc/to/dg/llu/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos