Mercado abrirá em 7 h 41 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,35
    -0,62 (-0,86%)
     
  • OURO

    1.749,30
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    45.775,02
    -2.125,37 (-4,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.145,20
    -80,33 (-6,55%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    23.974,70
    -946,06 (-3,80%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.240,00
    -86,00 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1891
    -0,0103 (-0,17%)
     

Teste de Covid em viagem de luxo chega a custar US$ 6.000

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O consultor de viagens de luxo Joey Levy, da Embark Beyond, estava ajudando clientes a planejar uma sonhada lua de mel. O desejo deles era ir para Zâmbia, Zimbábue e África do Sul para ver animais selvagens e as Cataratas de Vitória, se hospedando nos melhores hotéis da região.

O casal estava disposto a pagar uma conta de cinco dígitos em dólares pelo passeio. Mas foram surpreendidos pelos custos dos testes de PCR para identificação da Covid-19. Cada país visitado exigiu resultado negativo até 72 horas antes da entrada e o hotel no Zimbábue informou que só conseguiria um se trouxesse um médico de jatinho para aquele local tão remoto — por US$ 6.000.

“Eu poderia ter fretado um voo para o médico e teria sido mais barato”, lembra Levy, que acabou reorganizando o itinerário para os clientes não pagarem o valor exorbitante.

No meio de uma pandemia, uma coisa é viajar para lugares remotos, como as savanas do Zimbábue ou as selvas da Amazônia, e outra bem diferente é obter o teste de Covid-19 e a papelada necessária para chegar e sair de lá — mesmo com a ajuda de um agente de viagens experiente. O problema se agrava para turistas que desejam visitar mais de um país antes de voltar para casa.

Alguns passageiros ficam chocados com o tamanho da conta em uma viagem dessas — e nem sempre é culpa da agência.

Operadores turísticos e resorts estão usando aviões, barcos e veículos para transportar testes até os laboratórios para atender os prazos de validade dos testes. Essas empresas fazem o que é possível para seguir regras que não são tão simples quanto parecem. E muitos desses locais dependem dos turistas internacionais para sobreviver.

Em alguns países, é difícil encontrar testes rápidos de antígenos contra Covid, especialmente onde a infraestrutura médica é precária. Desta forma, os viajantes só têm como alternativa os testes de PCR, que são mais caros e demorados.

A operadora de safáris luxuosos Singita, que trabalha com seis hotéis e acampamentos na Tanzânia, usou jatos e veículos para transportar profissionais credenciados pelo governo para realizar testes de swab nasal e levar o material para o laboratório em Dar es Saalam, a mais de 800 quilômetros de distância. O custo para a operadora, repassado aos turistas, foi de US$ 500 por teste. Recentemente, a Singita conseguiu baixar o custo para US$ 300, graças à inauguração de um laboratório em Arusha, cerca de 600 quilômetros mais próximo do Parque Nacional de Serengeti. Também pesou na redução do custo a coordenação cuidadosa dos voos que transportam os profissionais que fazem teste de Covid e de passageiros em chegada ou partida.

Por causa da demora para transportar os testes para os laboratórios, os hotéis da Tanzânia precisaram impor uma estadia mínima de três dias, sendo que a diária por pessoa sai por cerca de US$ 2.500. Antes, os hóspedes costumavam ficar dois dias e seguiam para outro destino.

“Foi muito complicado e tivemos que colocar duas pessoas trabalhando em tempo integral no planejamento logístico do PCR”, diz a diretora operacional Jo Bailes. “A empresa precisou alocar muito tempo de funcionários nisso.”

Teoricamente, os hóspedes podem evitar esses custos levando o teste de Covid na mala. Os americanos, por exemplo, poderiam usar o BinaxNOW COVID-19 Ag Card 2 Home, que foi aprovado pela agência de medicamentos (FDA, na sigla em inglês) para uso emergencial. O kit com seis testes é vendido por US$ 150. Outro teste doméstico, theEllume, sai US$ 45 por unidade. Nem todos os testes são aprovados pelo FDA e as bulas e os alertas sobre seu uso são bastante complexos.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos