Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,99
    -0,16 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.814,30
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.924,31
    +1.455,32 (+3,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,06
    +50,30 (+5,43%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.079,50
    +6,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1183
    -0,0472 (-0,77%)
     

Tesouro capta US$2,250 bi em primeira emissão externa do ano

·2 minuto de leitura

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA/SÃO PAULO (Reuters) -O Tesouro Nacional captou 2,250 bilhões de dólares no mercado internacional nesta terça-feira com a emissão de um novo bônus de referência de 10 anos, o Global 2021, e uma reabertura do título Global 50, de 30 anos.

As emissões marcaram a primeira incursão do país no mercado externo no ano, após uma captação de 2,5 bilhões de dólares no início de dezembro que envolveu a reabertura de três títulos.

O país levantou agora 1,500 bilhão de dólares com o lançamento de um novo bônus de 10 anos, o Global 2021, em operação que resultou em uma taxa de retorno para o investidor de 3,875%. O spread foi de 240,2 pontos-base acima do título dos EUA de referência (Treasury), com o papel emitido ao preço de 98,948% do seu valor de face, informou o Tesouro.

O Tesouro também realizou uma reabertura de seu bônus com vencimento em 2050, captando 750 milhões de dólares com um rendimento de 4,925% para o investidor. Nesse caso, o spread foi de 282,5 pontos-base acima do Treasury.

A operação ocorre em um momento de relativa melhora do cenário econômico doméstico, com sinais de retomada da atividade e de avanços em algumas reformas minimizando preocupações de mais curto prazo com a trajetória fiscal, mesmo em meio à alta persistente da inflação.

“O objetivo da operação é dar continuidade à estratégia do Tesouro Nacional de promover a liquidez da curva de juros soberana em dólar no mercado externo, provendo referência para o setor corporativo, e antecipar financiamento de vencimentos em moeda estrangeira”, disse o Tesouro em nota divulgada pela manhã.

A operação foi liderada pelos bancos Bradesco BBI, Goldman Sachs e HSBC, e a liquidação da operação ocorrerá em 7 de julho.

Em dezembro, a emissão externa envolveu a reabertura de títulos de 5 anos (Global 2025), 10 anos (Global 2030) e 30 anos (Global 2050).

(Reportagem adicional de Camila MoreiraEdição de Pedro Fonseca)

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos