Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    36.002,57
    +108,47 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Tesla começa a eliminar sensores de radar e aposta no piloto automático “só de visão”

·4 minuto de leitura
Tesla começa a eliminar sensores de radar e aposta no piloto automático “só de visão”
Tesla começa a eliminar sensores de radar e aposta no piloto automático “só de visão”

Os novos Model 3 e Model Y que saírem das fábricas da Tesla na América do Norte não contarão mais com sensores de radar para dar assistência ao motorista. A decisão ocorre após o CEO Elon Musk expressar publicamente o desejo de confiar nas câmeras para alimentar o sistema avançado de direção autonôma do Autopilot, chamado Full SelfDriving (FSD).

A montadora de carros elétricos tem trabalhado e testado, de forma limitada, em uma versão do Autopilot baseada 100% em visão. Mesmo assim, o software ainda não está pronto, e a decisão da empresa não explica completamente como o piloto automático funcionará sem o sensor de radar, visto que a Tesla está limitando ou desabilitando alguns recursos que auxiliavam a tecnologia.

Sistema de direção totalmente autônoma de Tesla impressiona em teste. Imagem: Youtube/Reprodução
Sistema de direção totalmente autônoma de Tesla em funcionamento. Imagem: Youtube/Reprodução

A mudança repentina ocorrerá da seguinte forma: os sensores de radar ainda estarão presentes nos modelos, porém, os novos proprietários podem notar restrições ao uso de funções conhecidas, como o Autosteer, o Smart Summon e o Emergency Lane Departure Avoidance. A Tesla garante que a ação é temporária e, “após algumas semanas”, as atualizações de software reativarão esses recursos.

A Autosteer – recurso de piloto automático que pode manter um Tesla centralizado em uma pista, mesmo em curvas – só poderá ser usado a 120 km por hora ou menos. Já a função Smart Summon – que permite ao motorista “chamar” o veículo mesmo estando fora do carro e em um estacionamento lotado – “será desativado na entrega”, assim como o recurso Emergency Lane Departure Avoidance, que previne os motoristas, por meio de alertas, de deixarem acidentalmente as pistas durante o uso do Autopilot.

Leia mais:

Em informações divulgadas junto com os resultados do primeiro trimestre, Musk e outros representantes da Tesla disseram “acreditar que um sistema somente de visão é, em última análise, tudo o que é necessário para a autonomia total“. “Nossa arquitetura de software baseada em inteligência artificial (IA) tem dependido cada vez mais de câmeras, para o ponto em que o radar está se tornando desnecessário. Como resultado, nossa equipe que trabalha no FSD está totalmente focada na evolução para um sistema autônomo baseado em visão e estamos quase prontos para mudar o mercado dos EUA com o Tesla Vision”, disse a montadora, em comunicado oficial.

Por ora, a Tesla não irá remover os sensores de radar dos modelos mais caros, como o sedã Model S ou o SUV Model X. A empresa diz que está inicialmente se concentrando em tornar os “baratinhos” Model 3 e Model Y dependentes do sistema baseado em visão, “pois eles vendem muito mais”. “A transição deles para o ‘Tesla Vision’ primeiro nos permite analisar um grande volume de dados do mundo real em um curto período de tempo, o que acelera a implementação da tecnologia”, explicou a empresa.

Musk e a confiança na tecnologia da Tesla

Elon Musk no SNL. Fonte: Reprodução / YouTube
Elon Musk no SNL. Fonte: Reprodução / YouTube

Os sensores de radar são comuns em muitos carros modernos, caminhões e SUVs. A tecnologia é usada ​​para ajudar a detectar objetos que se aproximam rapidamente, mesmo com pouca visibilidade, e são capazes de acionar recursos de segurança, como a frenagem automática de emergência. Atualmente, as montadoras gostam de ter vários tipos para garantir o bem-estar do motorista – que, mesmo com a função ligada, precisa estar atento durante a direção. Ou seja, se um tipo de sensor falhar ou não funcionar em uma determinada situação, sempre há um “plano B”.

Desde 2016, Musk declara que sensores de radas não são necessários para desenvolver veículos semi e totalmente autônomos. Recentemente, ele começou a falar muito mais sobre como mudar a Tesla para um sistema baseado totalmente em visão, ainda mais por conta dos avanços do FSD – que, mesmo não estando pronto, foi revelado que contará oito câmeras embutidas no carro, 12 sensores ultrassônicos, além de uma tecnologia de processamento de rede neural em tempo real.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Fontes: engadget, The Verge e Electrek

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!