Mercado abrirá em 5 h 36 min
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,38 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,90
    -0,21 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.775,60
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    23.375,79
    -967,50 (-3,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    555,78
    -17,03 (-2,97%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,68 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.503,11
    -12,64 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    19.711,99
    -210,46 (-1,06%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.436,75
    -56,50 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2473
    -0,0119 (-0,23%)
     

Tesla é acusada de ferir privacidade e mentir sobre emissões de carbono

Um grupo alemão de defesa do consumidor abriu processo contra a montadora Tesla por ferir a privacidade de cidadãos e não falar a verdade sobre emissões de carbono. A ação foi iniciada em uma corte da capital, Berlim, e aponta desconformidades entre um sistema de segurança que permite o monitoramento por câmeras e as leis de proteção de dados vigentes no país.

O cerne do processo é o chamado Sentry Mode, ativado sempre que modelos compatíveis da Tesla são estacionados. Ele permite que o usuário seja alertado sobre eventuais riscos à integridade do veículo, desde alguém se sentando no capô até uma tentativa de invasão por arrombamento ou quebra de vidros, acionando alarmes e registrando vídeos que, mais tarde, podem ser usados como prova do que aconteceu.

O problema, segundo a Federação das Organizações Alemãs de Consumidores (VZBV, na sigla em alemão), é que a Tesla não informa aos usuários que o uso de câmeras ao redor do veículo pode gerar multas previstas na Regulação Geral de Proteção de Dados (GDPR, na sigla em inglês). A equivalente europeia à nossa LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) prevê autorizações prévias para o tratamento de imagens gravadas por tais dispositivos, algo impossível em uma situação de monitoramento constante.

Na visão do órgão de defesa do consumidor, as leis do Velho Continente inviabilizam o funcionamento do recurso, que tem uso autorizado nos EUA. Como o Sentry Mode também é citado como diferencial dos veículos da Tesla, a fabricante teria deixado esse aspecto de lado, como forma de manter o discurso que levaria diretamente à venda de mais carros.

"O consentimento amplo, inclusive de transeuntes, certamente extrapola o razoável. A ampla e extensa interpretação da GDPR pelas autoridades de proteção de dados alemãs nos surpreende negativamente de novo", afirma Matheus Puppe, sócio da área de TMT, Privacidade & Proteção de Dados do Maneira Advogados. "Certamente, a preocupação é válida e devemos sim nos atentar aos dados pessoais, porém não podemos deixar isso atrapalhar o desenvolvimento econômico."

Meias-palavras da Tesla sobre o meio ambiente

Da mesma forma, a Tesla também não estaria contando a história inteira ao falar sobre as emissões de carbono envolvidas em sua operação. Enquanto os veículos elétricos não poluem, o mesmo não poderia ser dito sobre seu processo de fabricação, com o órgão afirmando a empresa de não ser transparente sobre esse aspecto em seus relatórios.

Além disso, a companhia não estaria explicando que vende créditos de emissão de carbono a outras montadoras. A ideia de que empresas não relacionadas estariam soltando poluentes coloca em xeque a ideia de que os carros elétricos da Tesla ajudariam a proteger o meio ambiente, outro aspecto, também, citado como uma ótima plataforma de marketing para a empresa de Elon Musk.

De acordo com o comunicado da VZBV sobre o assunto, a Tesla teria faturado US$ 1,6 bilhão com a venda destes créditos somente em 2020, enquanto permite que outras empresas ultrapassem os limites legais de emissão de carbono. O processo aberto na justiça alemã pede que a empresa venha a público ser transparente sobre os dois assuntos e compense os clientes que se sentirem lesados ou forem multados mediante os termos da GDPR.

A Tesla, por outro lado, não se pronunciou sobre o assunto. Em dezembro, o órgão de defesa do consumidor disse ter contatado a montadora e ouvido uma promessa de que os termos relacionados aos dois temas em documentos, manuais e relatórios se tornariam mais claro, mas isso, também, jamais teria acontecido.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos