Mercado abrirá em 34 mins

Terremotos em Minas Gerais assustam moradores de Sete Lagoas

Um novo terremoto foi relatado por moradores de Sete Lagoas, Minas Gerais, na madrugada desta quarta-feira (28). O tremor, terceiro maior registrado na região, atingiu uma magnitude de 2,8 graus e foi sentido em diversos bairros do município pouco antes da 1h da madrugada.

Um alto estrondo acompanhou o tremor, assustando a população da cidade que fica a 75 quilômetros de Belo Horizonte. Vídeos de câmeras de segurança e gravações de moradores encheram as redes sociais após a ocorrência e a prefeitura do município emitiu uma nota de esclarecimento pela manhã.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O comunicado oficial confirma a magnitude de 2,8 graus e o horário do evento, além de informar que seu epicentro foi o bairro Santo Antônio, no sul do município. Não foram registrados danos a propriedades ou pessoas feridas. A Defesa Civil do município está atuando nos bairros em que o tremor foi sentido com mais intensidade para monitorar a situação junto aos moradores.

Tremores em Sete Lagoas

O catálogo do Centro de Sismologia da USP documenta 20 tremores de terra em Sete Lagoas em 2022. Em agosto deste ano, a Universidade de Brasília instalou, em parceria com a prefeitura, seis sismógrafos na cidade para monitorar as movimentações. Geólogos da instituição estão investigando os terremotos na região e o porquê do aumento na frequência desses eventos por ali.

Registro do terremoto em Sete Lagoas, MG no site do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (Imagem: Reprodução/Observatório Sismológico UnB)
Registro do terremoto em Sete Lagoas, MG no site do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (Imagem: Reprodução/Observatório Sismológico UnB)

A magnitude registrada nos abalos varia entre 1,8 e 3 graus. De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos, tremores de até 4 graus não devem causar danos, apesar de serem sentidos pela maioria das pessoas. Contudo, isso pode variar de acordo com a distância do epicentro, a profundidade do evento, o tipo de solo e das construções no local.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: