Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.024,95
    +80,89 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

A Terra vai se recuperar dos impactos humanos, mas não estaremos aqui para ver

Resultados de uma nova pesquisa do MIT indicam que o planeta Terra deve estabilizar seu clima apesar das mudanças causadas pela atividade humana. Nós só não devemos estar aqui para presenciar a recuperação.

A capacidade da natureza de responder às mudanças ocorridas no globo terrestre já foi hipotetizada e discutida antes, mas agora há evidências diretas do processo. O “feedback estabilizador”, como chama o estudo, do planeta é capaz de regular sua temperatura ao longo de grandes períodos de tempo, na escala de 100.000 anos, em média. Isso possibilitou que a Terra sustentasse a vida durante eras glaciais, mudanças nos ciclos solares e atividades vulcânicas intensas.

A Terra manteve a vida em diversos períodos extremos, como eras de alto vulcanismo (Imagem: Unsplash/Tanya Grypachevskaya)
A Terra manteve a vida em diversos períodos extremos, como eras de alto vulcanismo (Imagem: Unsplash/Tanya Grypachevskaya)

Os cientistas usaram dados da paleoclimatologia, que incluem registros climáticos dos últimos 66 milhões de anos, e aplicaram modelos matemáticos para analisar o comportamento das variáveis. A questão a ser respondida era se a temperatura global poderia estar limitada por um ou mais fatores.

O ciclo carbonato-silicato

A hipótese estudada atribuía a regulação climática a um ciclo geoquímico muito lento que acontece no planeta. Da mesma forma que existem o ciclo da água, carbono ou nitrogênio, por exemplo, a Terra possui o ciclo dos carbonatos-silicatos.

Quando rochas que possuem o mineral silicato sofrem erosão, essa substância fica livre e em contato com a atmosfera. O gás carbônico presente no ar, por sua vez, vai reagir com o silicato e se depositar nas rochas.

O quartzo é um dos minerais mais abundantes da Terra e possui silicatos em sua composição (Imagem: Imagem: Constantine Shovel/Wikimedia Commons)
O quartzo é um dos minerais mais abundantes da Terra e possui silicatos em sua composição (Imagem: Imagem: Constantine Shovel/Wikimedia Commons)

O processo se retroalimenta pois taxas mais altas de carbono na atmosfera também intensificam o processo erosivo. Ou seja, mais dióxido de carbono e mais erosão significam mais silicatos para reagir com o gás.

Quão rápido é esse processo?

O ponto interessante da pesquisa é que as escalas temporais do ciclo carbonato-silicato e o registro de temperatura deixado em fósseis e em núcleos de gelo são condizentes. O ciclo leva cerca de 400.000 anos, o suficiente para uma recuperação do planeta neste prazo.

Embora saibamos que a Terra deve se recuperar naturalmente de todos os impactos humanos, fica claro que nenhuma pessoa viva hoje vai presenciar o processo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: