Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.589,23
    -1.479,32 (-1,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.079,86
    +353,90 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,87
    -0,14 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.801,70
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.232,70
    +434,24 (+2,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,16
    +11,47 (+2,91%)
     
  • S&P500

    3.949,92
    +16,00 (+0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.690,27
    +92,35 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.647,50
    +138,00 (+1,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5024
    +0,0360 (+0,66%)
     

Terra pode ser atingida por tempestade solar nesta terça-feira (4)

Terra pode ser atingida por tempestade solar nesta terça-feira (4)
Terra pode ser atingida por tempestade solar nesta terça-feira (4)

Uma série de fortes erupções solares irrompeu do Sol entre sábado (1) e domingo (2), e o material ejetado deve causar uma tempestade solar de grau G2 (de potência moderada) nesta terça-feira (4).

De acordo com o Centro de Previsão do Tempo Espacial (SWPC) da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), um dos sinalizadores foi tão forte que pode ter causado um apagão de comunicação por rádio de alta frequência sobre uma ampla área por cerca de uma hora na tarde de domingo.

Segundo o SWPC, as três erupções ocorreram por volta das 16h15 e 22h25 do sábado e das 16h25 do domingo. Nessa ordem, esses sinalizadores aumentaram em força de classe M para classe X, o tipo mais forte. Todos os horários mencionados têm como referência o fuso de Brasília.

Uma imagem captada pelo Observatório de Dinâmica Solar (SDO) da NASA mostra uma explosão solar da classe X piscando no Sol às 16h25 (horário de Brasília) do último domingo (2). O sinalizador foi um dos múltiplos a ocorrer nesse fim de semana. Imagem: Observatório de Dinâmica Solar (SDO)/NASA
Uma imagem captada pelo Observatório de Dinâmica Solar (SDO) da NASA mostra uma explosão solar da classe X piscando no Sol às 16h25 (horário de Brasília) do último domingo (2). O sinalizador foi um dos múltiplos a ocorrer nesse fim de semana. Imagem: Observatório de Dinâmica Solar (SDO)/NASA

Erupções solares são flashes brilhantes de radiação que explodem da atmosfera solar sempre que as linhas de campo magnético torcido do Sol mudam repentinamente. Esse rearranjo magnético libera enormes quantidades de energia ao arrebentar a coroa.

Quando direcionadas para a Terra, as erupções solares podem causar interrupção nas redes de comunicação de rádio de alta frequência no planeta, porque essas ondas de rádio devem saltar de uma região da atmosfera terrestre conhecida como ionosfera, a fim de viajar para o seu destino. Como a radiação da tempestade solar ioniza a ionosfera, isso faz com que essas ondas sejam degradadas ou completamente absorvidas.

Tempestade solar pode atingir a Terra

“Esses tipos de distúrbios afetam as comunidades de sistemas de satélite de aviação e navegação global no dominante civil”, disse George Ho, físico espacial do Laboratório de Física Aplicada Johns Hopkins, da NASA, em entrevista ao site Newsweek. “Além disso, os militares também dependem fortemente da comunicação de alta frequência. É relatado que a perturbação do tempo espacial pode ter causado apagão de comunicação durante a Operação Anaconda, por exemplo”.

A Operação Anaconda foi uma operação militar de março de 2002 na qual oficiais paramilitares da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) entraram no Afeganistão para atacar as forças da Al-Qaeda e do Talibã.

Leia mais:

Mike Hapgood, cientista do clima espacial do Laboratório De Maçã Rutherford do STFC, no Reino Unido, disse que a aviação civil também pode ser impactada pelas interrupções de alta frequência.

“A principal indústria afetada por apagões de rádio de alta frequência é a aviação civil — e especificamente comunicações de longo alcance para aeronaves sobre oceanos e áreas terrestres remotas onde não há rede de rádio VHF”, disse Hapgood. “A alta frequência é um método primário para aeronaves nessas áreas se comunicarem com o controle de tráfego aéreo”.

Segundo Hapgood, muitas aeronaves também têm satélites de comunicação como backup, mas a alta frequência é necessária como parte dos procedimentos internacionais acordados. “Assim, apagões de alta frequência podem interromper esses links, mas em geral apenas por algumas dezenas de minutos, até que a indústria possa trabalhar em torno dessa interrupção. Esses apagões não afetam a decolagem e o pouso, pois as aeronaves usam links de rádio VHF de curto alcance”.

Existem também efeitos mais a longo prazo dessas tempestades solares. Como a ejeção de massa coronal (CME), que é uma nuvem de plasma e campo magnético que viaja para a Terra muito mais lentamente do que um sinalizador, geralmente levando vários dias. No entanto, nem sempre as erupções solares causam CMEs.

As CMEs podem interferir no campo magnético da Terra, causando efeitos como aumento do arrasto em satélites, problemas de tensão nas redes de energia e de comunicação, além das auroras.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!