Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.477,08
    +2.350,05 (+7,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Terceiro maior banco do mundo proíbe compra de Bitcoin, preço cai 5%

·2 minuto de leitura
China vs Bitcoin. Image: SHutterStock
China vs Bitcoin. Image: SHutterStock

O Agriculture Bank of China (AgBank), terceiro maior do mundo, anunciou na manhã desta segunda (21) que vai proibir seus clientes de negociarem criptomoedas, o banco afirmou que está seguindo orientação do banco central do país.

O caos reina na China quando o assunto é criptomoedas, já que o governo chinês aumentou a repressão contra o mercado há pelo menos dois meses. Agora o banco disse que vai reprimir as transações com criptomoedas e bloqueará contas de clientes que lidam com os ativos digitais.

Leia também:

O banco é um dos maiores do país e abriu capital em 2010 no que – na época – foi a maior IPO de todos os tempos. Apesar do fato de ter capital aberto, ele permanece firmemente vinculado à política monetária de Pequim e da China.

O banco é uma das cinco instituições financeiras que cooperam diretamente com o Banco Central do Povo da China em sua moeda digital (CBDC).

Clientes que forem pegos serão entregues às autoridades

O banco emitiu uma declaração curta sobre o assunto, que foi publicada por vários meios de comunicação chineses. No comunicado, o banco disse que vai “proibir o uso de seus serviços para transações de criptomoedas, como Bitcoin”.

O banco acrescentou que buscaria “intensificar sua investigação e monitoramento de transações de clientes” e que “mediante a detecção de atividades com criptomoedas”, aplicará “medidas como suspensão de contas e encerramento de serviços ao cliente em uma base imediata”, com possíveis infratores a serem “relatados aos departamentos governamentais relevantes” o mais “prontamente” possível.

Curiosamente, minutos depois do anúncio, o banco deletou o comunicado sem deixar explicações.

No entanto, o anúncio se tornou publico novamente depois que o Banco do Povo da China confirmou que se reuniu com os principais agentes financeiros chineses e os instruiu a reprimir o comércio de criptomoedas e não fornecer nenhum outro serviço financeiro relacionado aos ativos digitais.

O banco alegou que agiu “dentro do espírito” dos anúncios recentes dos reguladores do mercado e concluiu com um alerta sobre os riscos dos investimentos no mercado de criptomoedas.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Ter bitcoins ainda é legal na China, apesar da repressão intensa que começou em setembro de 2017, quando o governo baniu corretoras de criptomoedas.

Apesar disso, nas últimas semanas, o governo está cada vez mais interessado em erradicar as criptomoedas e reprimir a mineração de Bitcoin – fazendo com que vários mineradores mudem suas operações para outros países.

O Bitcoin opera em queda de 4,58%, sendo negociado agora por cerca de US$ 32.682.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos