Mercado abrirá em 1 h 28 min
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,57
    +1,08 (+1,53%)
     
  • OURO

    1.774,30
    -3,90 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    41.984,80
    -1.508,40 (-3,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.049,79
    -14,05 (-1,32%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.063,73
    +82,75 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.065,25
    +41,25 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1790
    -0,0001 (-0,00%)
     

“Terceira dose só depois que avançarmos na segunda”, avisa ministro da Saúde

·2 minuto de leitura

Na segunda-feira (24), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou que a terceira dose das vacinas contra a COVID-19 só devem ser aplicadas no Brasil, quando o país avançar no número de pessoas completamente imunizadas contra o coronavírus SARS-CoV-2. No momento, 26,01% da população está com o esquema vacinal completo, segundo a plataforma Our World in Data.

“Terceira dose só depois que avançarmos na segunda”, afirmou o ministro Queiroga. Durante coletiva de imprensa, a resposta veio após ser questionado sobre o reforço na vacinação contra a COVID-19. Em sua fala, o ministro também destacou que “a OMS [Organização Mundial da Saúde], hoje, ditou uma posição no sentido de que não se avançasse na terceira dose enquanto a segunda dose não fosse aplicada na maior parte na população global”.

Teeceira dose da vacina só deve chegar quando país avançar na aplicação da segunda, afirma ministro (Imagem: Reprodução/Rido81/Envato Elements)
Teeceira dose da vacina só deve chegar quando país avançar na aplicação da segunda, afirma ministro (Imagem: Reprodução/Rido81/Envato Elements)

Previsão da terceira dose?

Até o momento, a Saúde não apresentou planos concretos sobre como a aplicação da terceira dose deverá ser coordenada na população brasileira. Na semana passada, o ministro Queiroga explicou que o processo deve começar pelos idosos e profissionais da saúde. Na ocasião, argumentou que faltavam dados científicos e que, quando possível, a dose extra deveria abranger todos os imunizantes.

No mundo, alguns países já aplicam a terceira dose das vacinas contra a COVID-19 em populações específicas, como Estados Unidos, Israel, Chile e Uruguai. Os esforços são realizados para prevenir uma nova onda da doença desencadeada pela variante Delta (B.1.671.2) do coronavírus. No Brasil, existem estudos em andamento sobre o tópico, inclusive da própria Saúde.

Raio-X da vacina contra a COVID-19 no Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 8,5 milhões de brasileiros deixaram de voltar ao posto para receber a segunda dose da vacina contra a COVID-19. Isso impede que a porcentagem de brasileiros que completaram o esquema vacinal suba e ainda permite que a taxa de transmissão do coronavírus continue elevada, já que apenas uma dose não é suficiente para a proteção contra o vírus.

No caminho para o controle do coronavírus, já foi verificado que as vacinas, quando aplicadas de forma massiva, podem melhorar o cenário epidemiológico. O estudo do Instituto Butantan, em Serrana, no interior de São Paulo, apontou para a necessidade de se imunizar pelo menos 75% da população para cortar a transmissão do coronavírus. Na cidade, a vacina foi usada em praticamente toda a população adulta e as mortes em decorrência do coronavírus caíram em 95%.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos