Mercado abrirá em 7 h 18 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,35
    +0,07 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.830,90
    -5,20 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    57.352,07
    +2.606,96 (+4,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.554,30
    +1.311,62 (+540,47%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.062,23
    +48,42 (+0,17%)
     
  • NIKKEI

    28.145,35
    -463,24 (-1,62%)
     
  • NASDAQ

    13.261,75
    -84,25 (-0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3332
    -0,0122 (-0,19%)
     

Terceira dose da vacina pode ser necessária daqui um ano, aponta CEO da Pfizer

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

No combate ao novo coronavírus (SARS-CoV-2), o CEO da farmacêutica norte-americana Pfizer, Albert Bourla, afirmou que as pessoas “provavelmente” precisarão de uma dose de reforço dos imunizantes contra a COVID-19, o que deve ocorrer em até 12 meses após a vacinação completa. Divulgada nesta quinta-feira (15), a declaração do responsável pela vacina Pfizer/BioNTech foi feita durante um programa da rede de televisão CNBC.

“Um cenário provável é que haja a necessidade de uma terceira dose, algo entre seis e 12 meses e, a partir daí, haverá uma vacinação anual, mas tudo isso precisa ser confirmado. E, novamente, as variantes terão um papel fundamental [no processo]”, explicou o CEO Bourla. Em outras palavras, as doses de reforço devem ser necessárias para combater as novas mutações do coronavírus, mantendo a alta eficácia das fórmulas. Atualmente, a taxa de eficácia do imunizante da Pfizer/BioNTech é estimada em 95% para casos sintomáticos.

CEO da Pfizer alerta sobre a possibilidade de um reforço da vacina contra a COVID-19 para manter eficácia (Imagem: Reprodução/Photocreo/Envato Elements)
CEO da Pfizer alerta sobre a possibilidade de um reforço da vacina contra a COVID-19 para manter eficácia (Imagem: Reprodução/Photocreo/Envato Elements)

No mês de fevereiro, o CEO da Johnson & Johnson, Alex Gorsky, também confirmou a possibilidade de uma vacinação anual contra a COVID-19, de forma semelhante ao que ocorre com a vacinação contra a gripe. Outra questão que ainda é investigada pelos cientistas e pode reforçar a necessidade de uma teceria dose é que não se sabe o tempo máximo de proteção da cada fórmula contra o agente infeccioso.

Terceira dose da vacina contra a COVID-19 nos EUA?

Ainda nesta quinta-feira, David Kessler, membro da agência norte-americana Food and Drug Administration (FDA) — com função similar a da Agência Federal de Vigilância Sanitária (Anvisa), no Brasil —, também comentou que as pessoas deverão tomar uma dose de reforço das vacinas contra a COVID-19 para manter a proteção da fórmula contra as novas variantes.

Na ocasião, Kessler explicou que as vacinas contra a COVID-19, atualmente autorizadas, são altamente protetoras e eficazes contra o coronavírus, mas as novas variantes podem “desafiar” esta eficácia. “Não sabemos tudo neste momento”, afirmou o membro da FDA. “Estamos estudando a durabilidade da resposta do anticorpo”, complementou.

Butantan estuda reforço da CoronaVac contra o coronavírus

No Brasil, o Instituto Butantan confirmou que existe, sim, a possibilidade de uma dose reforço da CoronaVac contra a COVID-19 na quarta-feira (15). No entanto, esta não seria considerada uma terceira dose, já que a composição do imunizante não deve ser a mesma, mas uma atualização feita a partir das novas variantes em circulação do coronavírus.

"O que o Butantan estuda é atualização da vacina, com a possibilidade de, no próximo ano, aplicar uma outra dose, em razão das novas cepas e da evolução da doença, como ocorre com a vacina da Influenza", esclareceu, em comunicado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: