Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.403,42
    -3.454,39 (-8,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Terapia pode salvar vida de bebês que nasceram sem sistema imunológico

·1 min de leitura

Alguns bebês nascem sem sistema imunológico, uma condição rara chamada atimia congênita, que se resume na falta de timo, glândula responsável pela produção de células essenciais no combate a infecções, e que pode causar óbito precoce. Uma nova terapia desenvolvida por uma equipe de pesquisadores da Duke University (EUA) pode ser uma alternativa para salvar a vida dessas crianças e garantir-lhes longevidade.

A terapia foi desenvolvida com base na utilização de um tecido do timo, implantado então em um músculo da criança. Os cientistas aprimoraram o procedimento, até chegar a um tecido geneticamente modificado.

Do primeiro passo dado pelo estudo até aqui, foram nada menos que 25 anos, com direito à participação de 105 pacientes. O tratamento foi eficaz em 91 participantes, nos quais foi capaz de estabelecer totalmente seu sistema imunológico. No entanto, 21 não resistiram.

Terapia pode salvar vida de bebês que nasceram sem sistema imunológico (Imagem: twenty20photos/Envato)
Terapia pode salvar vida de bebês que nasceram sem sistema imunológico (Imagem: twenty20photos/Envato)

Segundo o estudo, a reconstituição imunológica suficiente para prevenir infecções e sustentar a sobrevivência normalmente ocorre de 6 a 12 meses após a administração do tratamento. O artigo também menciona que alguns pacientes desenvolveram alopecia (uma condição em que ocorre perda de cabelo ou de pelo em qualquer parte do corpo), hepatite autoimune ou artrite crônica, mas no geral, as taxas de infecções e manifestações de doenças autoimunes diminuíram após um ano de tratamento.

A tecnologia já foi comprada por uma empresa chamada Enzyvant Therapeutics, e atualmente se encontra sob avaliação da Food and Drug Administration (FDA), a agência de saúde dos EUA.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos