Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,57
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.753,80
    -41,00 (-2,28%)
     
  • BTC-USD

    47.545,52
    -665,01 (-1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.209,85
    -23,43 (-1,90%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.505,50
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1848
    -0,0112 (-0,18%)
     

Ter enxaqueca pode te proteger do diabetes; entenda como

·1 minuto de leitura

Pode parecer estranho, mas a enxaqueca te protege do diabetes. Pelo menos é isso o que afirma um estudo da Universidade do Tennessee: pessoas que têm enxaqueca possuem menos probabilidade de desenvolver diabetes tipo 2, enquanto algumas pessoas que desenvolvem diabetes tornam-se menos propensas a ter enxaquecas.

O estudo se concentra em como os peptídeos que causam a dor da enxaqueca podem influenciar a produção de insulina em camundongos, possivelmente regulando a quantidade de insulina secretada ou aumentando o número de células pancreáticas que a produzem. Essas descobertas podem melhorar os métodos de prevenção ou tratamento do diabetes.

Os pesquisadores observam que as enxaquecas acontecem no cérebro, enquanto a diabetes está associada ao pâncreas, e esses órgãos estão distantes um do outro. Eles já sabiam que dois peptídeos no sistema nervoso desempenham um papel importante em causar a dor da enxaqueca, e que esses mesmos peptídeos também são encontrados no pâncreas, onde influenciam a liberação de insulina das células.

(Imagem: RossHelen/Envato)
(Imagem: RossHelen/Envato)

A insulina regula os níveis de açúcar no sangue ajudando outras células do corpo a absorver a glicose e armazená-la ou usá-la para obter energia. No diabetes tipo 2, essas outras células se tornam resistentes à insulina e menos capazes de absorver glicose, levando a níveis elevados de açúcar no sangue.

Para investigar a atividade dos peptídeos em camundongos, o grupo desenvolveu um método para coletar dados de centenas de células beta. A técnica mostrou que os peptídeos reduziram os níveis de insulina 2 de camundongos. “Uma vez que entendemos como os peptídeos exercem seus efeitos sobre a secreção de insulina, podemos projetar análogos de peptídeos que controlariam a insulina, mas não se ligariam ao receptor da dor”, apontam os pesquisadores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos