Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.750,60
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    43.303,35
    +554,02 (+1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +0,25 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2569
    +0,0319 (+0,51%)
     

Tentativa de pressão alta, fragilidade na bola aérea e Cano: como o Vasco chega para enfrentar o Botafogo

·3 minuto de leitura


O décimo quinto de 38 capítulos. O Vasco chega para enfrentar o Botafogo em situação parecida: técnico récem-contratado, pouco jogos de contato e menos tempo ainda para treinar. As equipes medem forças neste sábado, às 21h, pela 15ª rodada da Série B do Brasileirão, no Estádio Nilton Santos.

+ Botafogo x Vasco opõe Enderson Moreira e Lisca, técnicos com trabalhos e pressões semelhantes

Se Enderson Moreira luta contra o calendário no clube de General Severiano, Lisca, outrora alvo do Botafogo, tem o mesmo dilema no Vasco. As duas equipes vêm de compromissos no meio da semana, mas o técnico cruz-maltino acredita que um dia de diferença pode ser crucial. Quem explica é Felippe Rocha, setorista da equipe de São Januário no LANCE!.

- O Vasco chega com um dia a menos de descanso, isso foi citado pelo Lisca, e só um treino efetivo com titulares, nesta sexta, para ajustar o time antes do clássico. Não deve haver uma diferença física muito grande. O time fez, no meu modo de ver, uma boa partida contra o São Paulo (na quarta, pela Copa do Brasil) dentro das possibilidades, e mostrou problemas antigos e alguns méritos - afirmou o jornalista.

ALGUMA COISA JÁ MUDOU?
Com pouco menos de 15 dias no comando do Vasco, Lisca já tenta implementar mudanças no jogo do Cruz-Maltino. A equipe, agora, explora uma forma mais agressiva e arriscada para tentar roubar a bola do adversário. O tiro, porém, saiu contra a culatra.

- O mais importante é que o time com o Lisca está mais agressivo na marcação. O problema é que essa marcação não é necessariamente efetiva. O primeiro gol do São Paulo surge dessa forma: alguns jogadores marcam a saída de bola do adversário na intermediária, mas nem todo mundo encaixa a marcação e aí a linha de defesa ficou muito alta e, por conta da lentidão, o São Paulo soube aproveitar - analisou Felippe.

+ ​Remo: Melhor brasileiro da história, Lucas Verthein recusou Flamengo por sequência e identificação ao Botafogo

Se o Cruz-Maltino jogava em 4-2-3-1 com Marcelo Cabo, a mudança a curto prazo de Lisca é fazer uma mudança de posicionamento na configuração do meio-campo. Neste contexto, novos altos e baixos surgem.

- A principal mudança tática do Lisca, além de anímica, foi na configuração tática do meio-campo e ataque. O time tem um volante e dois meio-campistas mais avançados, sendo que um deles é um volante, o Bruno Gomes, que foi o melhor jogador de linha do Vasco na quarta. O Galarza está sacrificado nesse primeiro momento, mas a característica é um atleta recuado e dois mais avançados - completou.

FRAQUEZAS E VIRTUDES
O Vasco passa por um dilema também conhecido no Botafogo: a dificuldade de marcar as bolas aéreas. Assim como o Alvinegro, o Cruz-Maltino sofre no posicionamento defensivo para povoar a área contra os gols de cabeça em situações de bola parada.

- O ponto fraco do Vasco é a bola aérea defensiva, principalmente na bola parada. Desde o início da temporada tem sido um Deus nos acuda. O time toma gol de escanteio, falta... e quando não leva sempre toma susto. O ponto forte é que o Vasco cria com volume, não necessariamente com qualidade. O time chega no gol adversário, o problema contra o São Paulo foi não ter tido eficiência - comentou Felippe.

+ Botafogo costura últimos detalhes e fica perto de anunciar retorno de Jonathan

A ameaça do rival tem nome e sobrenome: Germán Cano, é claro. O camisa 14 é a principal fonte de gols do Vasco e uma ameaça constante dentro da área.

- É óbvio que o Botafogo precisa ficar de olho no Cano. É o homem-gol, o jogador mais importante e ele faz gols com um toque só na bola. Além de ficar atento à essa criação do Vasco, o Cano não pode ter meio segundo de liberdade - completou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos