Tensão social leva mina sul-africana a interromper atividades

Johanesburgo, 7 jan (EFE).- A Harmony Gold, terceira maior companhia produtora de ouro da África do Sul, anunciou nesta segunda-feira que uma de suas minas pode ser fechada definitivamente devido a ameaças de morte recebidas por seus dirigentes, informa a imprensa local.

A mina de Kusasalethu, onde trabalham 6.000 pessoas e que fica a 65 quilômetros a oeste de Johanesburgo, não retomou suas atividades depois das férias. Ela está em plena revisão de seu estado financeiro e de suas operações, anunciou a companhia na semana passada.

A inatividade dos trabalhadores pode aumentar a tensão entre os empregados e a companhia, agravada em agosto de 2012 com a morte, por disparos da polícia, de 34 trabalhadores que exigiam melhoras trabalhistas na mina de Marikana.

No total, mais de 50 mineradores morreram em 2012 na África do Sul em incidentes violentos durante protestos por seus direitos trabalhistas.

"Existe um risco extremamente alto de que algo ruim possa acontecer em Kusasalethu no atual estado de coisas", declarou hoje o chefe executivo da Harmony, Graham Briggs.

Enquanto isso, grupos de advogados pró-direitos humanos preparam uma ação coletiva contra mais de 30 companhias mineiras sul-africanas - entre elas a Harmony Gold - em representação de 17.000 mineiros com problemas de saúde por seu trabalho nas explorações. EFE

Carregando...