Mercado abrirá em 4 h 57 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,73
    +0,27 (+0,43%)
     
  • OURO

    1.763,10
    -3,70 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    61.585,74
    -1.560,94 (-2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.368,94
    -12,00 (-0,87%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.015,16
    +31,66 (+0,45%)
     
  • HANG SENG

    29.008,73
    +215,59 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.975,50
    -38,50 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7152
    -0,0059 (-0,09%)
     

Tencent pode enfrentar maior controle de governo chinês: Fontes

Bloomberg News
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Tencent Holdings, de Pony Ma, está no radar do governo em chinês. O maior conglomerado da Ásia foi multado pelo órgão antitruste da China na sexta-feira em meio à campanha de escrutínio iniciada contra o império online de Jack Ma.

A multa simbólica é apenas o começo. Reguladores do setor financeiro da China veem a Tencent como o próximo alvo de maior supervisão após as medidas para limitar o domínio da Ant Group, de Jack Ma, de acordo com pessoas com conhecimento do assunto. Como a Ant, a Tencent provavelmente será obrigada a criar uma holding financeira para incluir serviços bancários, de seguros e de pagamentos, disse uma das pessoas, que falou sob anonimato.

As duas empresas abrirão um precedente para outros players de fintech no cumprimento de regulamentos mais rígidos, acrescentaram as pessoas.

Tal movimento marcaria uma escalada significativa na campanha da China para limitar a influência dos magnatas da tecnologia, dias após o primeiro-ministro Li Keqiang ter prometido, durante o Congresso Nacional do Povo, expandir a supervisão da tecnologia financeira, erradicar monopólios e evitar a expansão “não regulamentada” de capital.

“Continuaremos a nos adaptar às mudanças no ambiente regulatório, que consideramos benéficas para o setor, e buscaremos garantir a conformidade total”, disse a Tencent em comunicado enviado por e-mail após a multa do órgão antitruste. A empresa não quis comentar sobre questões regulatórias financeiras.

A Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

Uma série de regras anunciadas nos últimos seis meses atingiu os domínios conquistados pelos empreendedores online mais bem-sucedidos da China. As primeiras medidas atingiram Jack Ma quando a oferta pública inicial de US$ 35 bilhões da Ant foi suspensa no último minuto, seguida por uma investigação antitruste contra o Alibaba Group.

A Tencent já sentiu os efeitos colaterais dos novos regulamentos, embora investidores tenham ignorado as medidas comprando ações mesmo quando o Alibaba era punido. O avanço de 26% dos papéis da Tencent em seis meses contrasta com a queda de 15% da gigante de comércio eletrônico de Jack Ma, que controla cerca de 30% da Ant. As ações da Tencent atingiram cotação recorde em 25 de janeiro, avaliando a empresa em cerca de US$ 950 bilhões.

Assim como na Ant, as regras propostas para desfazer a concentração de mercado em pagamentos digitais e frear empréstimos online ao consumidor afetarão as perspectivas para o WeChat Pay da Tencent e seu negócio de fintech.

Uma ordem para transformar essas operações em uma holding que poderia ser regulamentada mais como um banco poderia restringir ainda mais a capacidade de empréstimos e de a empresa se expandir no mesmo ritmo forte dos últimos anos.

A divisão de fintech da Tencent teve receita de cerca de 84 bilhões de yuans (US$ 13 bilhões) em 2019, ou 22% do total, tornando-se o principal motor de ganhos depois do entretenimento online. O valor representa cerca de 70% da receita da Ant no ano.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.