Mercado abrirá em 3 h 9 min

A Tencent está construindo uma cidade do tamanho do centro de Manhattan na China

Rui Maciel

Sexta maior empresa de Tecnologia do mundo, a chinesa Tencent pode não ser das mais conhecidas entre o público ocidental, mas está presente em boa parte da internet chinesa. Discreta, a companhia é, por exemplo, dona do WeChat - uma espécie de WhatsApp "turbinado", que, além de trocar mensagens, realiza pagamentos e uma infinidade de serviços. Ela também tem participação acionária em uma série de gigantes, como Epic Games, Blizzard, Activision, Riot e até no Nubank. E isso é só uma pequena fração da companhia, cujo valor de mercado gira na casa dos US$ 500 bilhões.

Agora, a mais nova empreitada do conglomerado tem dimensões colossais. Literalmente. Isso porque a companhia está construindo na China uma cidade do tamanho do centro de Manhattan. Localizada na cidade de Shenzhen, o terreno tem 320 acres e será composto por escritórios, casas e edifícios residenciais, escolas, lojas, restaurantes, mercados, espaços de entretenimento e muito mais. E ela já tem até um nome: Net City.

Projetada pela NBBJ, uma empresa de arquitetura que já realizou projetos para Amazon, Google e Samsung, por exemplo, a Net City deve ser concluída em até sete anos e será voltada para os funcionários da Tencent. Lá, eles terão toda a estrutura para morar, trabalhar e se divertir, como se fosse uma espécie de campus. O local priorizará pedestres, ciclistas e passageiros de transporte público em vez de motoristas.

Além disso, o campus terá espaços públicos e seus residentes poderão entrar na cidade vizinha através de transportes públicos. Segundo o The Wall Street Journal, os projetos atendem aos critérios da iniciativa chinesa "Sponge City" e coletam água no campus, gerenciando o escoamento e as inundações. Além disso, quase todos os edifícios também serão equipados com telhados cobertos de grama.

Para completar, a Net City, da Tencent, é um dos exemplos mais recentes de empresas de tecnologia que se aprofundam no planejamento urbano. A Sidewalk Labs, braço de inovação urbana da Alphabet, controladora do Google, tinha um projeto semelhante em andamento em Toronto. A empresa estava trabalhando na construção de uma cidade conectada cujo projeto era avaliado em US$ 900 milhões. Entre outras facilidades, ela trazia carros sem motorista, calçadas aquecidas e sensores espalhados por todo espaço. No entanto, o projeto foi interrompido no início de maio devido no início de maio devido a "incertezas econômicas".

Fonte: Canaltech