Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,78
    +0,80 (+1,08%)
     
  • OURO

    1.752,60
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.178,14
    +615,64 (+1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.075,40
    -27,66 (-2,51%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.320,19
    +71,38 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    15.356,75
    +38,00 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2558
    +0,0002 (+0,00%)
     

Temporada de furacões no Atlântico será ainda mais intensa neste ano

·2 minuto de leitura

A temporada desse ano de furacões no Atlântico, que começou no início de junho, será ainda mais intensa do que apontaram as previsões anteriores. Nesta quarta-feira (4), a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) dos EUA, informou que a presença de condições atmosféricas e oceânicas favorecem a atividade de tempestades acima da média prevista.

De acordo com a NOAA, um desses fatores é a crescente possibilidade de uma La Niña emergente. O fenômeno é caracterizado por empurrar as águas quentes do Pacífico em direção à Ásia, trazendo as águas mais frias para a superfície da costa oeste da América do Norte. Uma La Ninã dominante em meio as águas frias ao redor do Pacífico equatorial é a combinação ideal para uma temporada de furacões mais severa, confome aponta Matthew Rosencrans, chefe de previsão de furacões sazonais do Centro de Previsão do Clima da NOAA.

(Imagem: Reprodução/NOAA)
(Imagem: Reprodução/NOAA)

A NOAA estima, para esta temporada, entre 15 a 21 tempestades — a previsão anterior, divulgada em maio deste ano, estimava entre 13 a 20 tempestades. Desse total, 7 a 10 ganharão força suficiente para se tornarem um furacão. Já a quantidade de furacões de categoria 3 ou mais, considerados grandes furacões com ventos de até 178 km/h, permanece a mesma: algo entre três a cinco. "Dado o aumento no número previsto de tempestades e furacões nomeados, há agora 65% de chance de uma temporada acima do normal e 25% de chance de uma temporada quase normal, com 10% de chance de uma temporada abaixo do normal", acrescenta Rosencrans.

Ainda no início, a temporada de furacões deste ano já quebrou recordes com suas cinco tempestades formadas. A mais recente é o furacão Elsa que atingiu a Flórida em 7 de julho e, segundo Rosencrans, foi a primeira a se formar no Atlântico. Até agora, a atividade registrada nessa temporada não dá sinais de desaceleração com o passar dos meses — o pico de furacões costuma ser entre meados de agosto a outubro.

Furacão Elsa registrado enquanto avançava sobre a Flórida no último dia 6 de julho (Imagem: Reprodução/NOAA)
Furacão Elsa registrado enquanto avançava sobre a Flórida no último dia 6 de julho (Imagem: Reprodução/NOAA)

Os furacões não se limitam apenas a ventos prejudicais, reforça Rosencrans, mas também a tempestades perigosas e poderosas chuvas que causam grandes desastres, como inundações. “Independentemente da atividade prevista, basta uma tempestade para ter impactos catastróficos nas vidas e nas comunidades", conclui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos