Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,40
    +0,08 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.743,50
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    59.756,33
    +879,53 (+1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.816,00
    -13,50 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7601
    +0,1252 (+1,89%)
     

Temporada começa com três 'novos gringos' na Série A - o que podemos esperar deles?

Nathalia Almeida
·3 minuto de leitura

Apesar de muitos dirigentes brasileiros ainda resistirem à ideia de buscar no exterior a solução para a área técnica de seus respectivos clubes, o sucesso de Jorge Jesus e Abel Ferreira, além das boas campanhas de Jorge Sampaoli com Santos (2019) e Atlético-MG (2020), colocaram os treinadores estrangeiros ainda mais em evidência em solo nacional.

De momento, quatro são os 'gringos' que iniciam a temporada 2021 à frente de clubes da Série A, sendo três novidades: Ariel Holan, Hernán Crespo e Miguel Ángel Ramírez, técnico espanhol ex-Independiente Del Valle, em vias de ser anunciado oficialmente pelo Internacional. Abel Ferreira, campeão da Libertadores pelo Palmeiras, completa essa pequena lista.

Mas quem são e o que podemos esperar destas 'novas aquisições' da Série A?

Ariel Holan

Holan já passou por Universidad Católica e Independiente. | Pool/Getty Images
Holan já passou por Universidad Católica e Independiente. | Pool/Getty Images

Mais veterano dentre as 'novidades' que desembarcam em solo brasileiro, Ariel Holan, técnico de 60 anos, será o substituto de Cuca no Santos.

Apesar da idade, o argentino não tem uma carreira profissional muito longa no futebol, muito pelo contrário: sua primeira experiência independente data de 2015, quando assumiu o comando do Defensa y Justicia. Por longos anos, estudou, se aprimorou e fez inúmeros estágios com outras referências do futebol argentino, como Passarella.

É um perfeccionista nato, obcecado em estudar o jogo e suas minúcias, estatísticas e desempenho. Suas equipes costumam jogar um futebol vertical, de muita intensidade e marcação alta.

Campeão da Copa Sul-Americana de 2017 pelo Independiente, seu clube do coração, Holan tem um temperamento forte e coleciona alguns atritos ao longo dos últimos anos. Contudo, o Peixe pode dizer que está acostumado com isso, afinal, Sampaoli e Cuca não são das figuras mais dóceis, certo?

Miguel Ángel Ramírez

Ramírez foi pretendido pelo Palmeiras no ano passado. | Pool/Getty Images
Ramírez foi pretendido pelo Palmeiras no ano passado. | Pool/Getty Images

Apalavrado com o Internacional desde a reta final de 2020, o jovem espanhol, de apenas 36 anos de idade, viverá no clube gaúcho a segunda experiência de sua carreira como treinador de uma equipe profissional. Vive e estuda futebol desde os 19 anos, quando chegou à base dos Las Palmas.

A América do Sul passaria a conhecê-lo por seu grande trabalho no comando do Independiente Del Valle (EQU), equipe que contrariou os prognósticos e conquistou, de forma inquestionável, a Copa Sul-Americana de 2019. Foi o primeiro título de sua carreira e a primeira taça continental do clube.

Adepto do jogo apoiado e extremamente ofensivo, seus times costumam atacar em bloco e com apoio constante dos laterais. Se bem executada, é uma tática que encanta, mas o contrapeso mora na exposição defensiva: em 2020, o Del Valle fez muitos gols, mas também sofreu um tanto. Tem muito tato/visão para o uso da base e dos jovens talentos.

Hernán Crespo

Crespo chega bem credenciado ao São Paulo. | Marcelo Endelli/Getty Images
Crespo chega bem credenciado ao São Paulo. | Marcelo Endelli/Getty Images

Dos três que chegam ao Brasil em 2021, Crespo é o de menor trajetória profissional como treinador, mas conhece (e muito!) do mundo da bola por sua carreira espetacular e vitoriosa como atleta.

Sua grande inspiração é Marcelo Bielsa, e isso já explica bastante em qual 'fonte' o argentino bebe em termos de ideias e filosofia de jogo.

Podemos esperar um São Paulo ofensivo e vertical, propondo jogo desde a sua defesa, já que a construção do jogo das equipes de Crespo começa lá de trás. Gosta bastante do esquema 3-4-3, com laterais atuando como alas e apoiando bastante.

Na vitória do São Paulo sobre o Flamengo pela 38ª rodada do Brasileirão, vimos o que pode ser um rascunho do sistema de jogo a ser implementado pelo argentino, ainda que, na ocasião, o Tricolor tenha atuado no 3-5-2.