Mercado abrirá em 8 h 44 min
  • BOVESPA

    101.016,96
    -242,79 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.245,86
    -461,86 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,67
    +0,11 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.910,80
    +5,10 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    13.106,53
    -2,26 (-0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,10
    -2,31 (-0,88%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.663,69
    -255,09 (-1,02%)
     
  • NIKKEI

    23.428,70
    -65,64 (-0,28%)
     
  • NASDAQ

    11.494,50
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6461
    +0,0056 (+0,08%)
     

Temores sobre vírus levam ações a pior semana desde junho

Por Sruthi Shankar
·2 minutos de leitura

Por Sruthi Shankar

(Reuters) - As ações europeias registraram sua pior queda semanal desde meados de junho nesta sexta-feira, refletindo temores dos investidores de que uma segunda onda de infecções por coronavírus prejudique a recuperação econômica, enquanto as ações bancárias registraram uma mínima histórica.

O índice FTSEurofirst 300 caiu 0,15%, a 1.380 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 0,1%, a 356 pontos.

O índice de referência não acompanhou ganhos em Wall Street depois de sinais de que os parlamentares norte-americanos estavam fazendo progresso nas negociações de um pacote de estímulo de 2,2 trilhões de dólares que poderia ser votado na próxima semana.

O STOXX 600 caiu 3,6% em uma semana dominada por preocupações sobre novas restrições ligadas ao coronavírus na Europa, uma recuperação vacilante das gigantes de tecnologia de Wall Street e dados econômicos preocupantes de ambos os lados do Atlântico.

A França e o Reino Unido estabeleceram novos recordes de infecções diárias por Covid-19 na quinta-feira, enquanto o governo espanhol recomendou a reimposição de um bloqueio parcial em toda a cidade de Madri depois que o país ultrapassou 700 mil casos da doença, o maior número na Europa Ocidental.

"Novas restrições na Europa, menos apoio fiscal, enfraquecimento do impulso de liquidez e o risco eleitoral devem pesar sobre a atividade no quarto trimestre", escreveram estrategistas de ações europeias do Barclays em nota.

Os bancos europeus recuaram a nova mínima recorde, com os investidores evitando o setor atingido por uma mistura de custos de empréstimos globais mais baixos, salto nos empréstimos inadimplentes devido à desaceleração econômica e escândalos de corrupção que o tornaram o setor o de pior desempenho esta semana.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,34%, a 5.842 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 1,09%, a 12.469 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,69%, a 4.729 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 1,10%, a 18.698 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,23%, a 6.628 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 1,33%, a 3.995 pontos.