Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.586,82
    +884,31 (+1,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Temor com inflação de alimentos cresce com índice da FAO em máxima de mais de 6 anos

Crispian Balmer
·3 minuto de leitura
Logo da FAO na sede da agência, em Roma, Itália

Por Crispian Balmer

ROMA (Reuters) - Os preços globais dos alimentos aumentaram pelo oitavo mês consecutivo em janeiro, atingindo seu nível mais alto desde julho de 2014, a agência de alimentos das Nações Unidas (FAO) na quinta-feira, enquanto as economias continuam a lutar contra a pandemia Covid-19.

O índice de preços de alimentos da Organização para Alimentação e Agricultura, que mede as variações mensais de uma cesta de cereais, oleaginosas, laticínios, carnes e açúcar, atingiu a média de 113,3 pontos no mês passado, ante 108,6 em dezembro, revisado para cima de 107,5.

Os saltos em cereais, açúcar e óleos vegetais lideraram o aumento, disse a agência.

Alguns governos estão tomando medidas para enfrentar a alta nos preços domésticos dos alimentos, embora tais movimentos elevem os valores globais ao reduzir a oferta para os mercados internacionais.

A consequência já é evidente nos preços de grãos, como o milho, que atingem máximas em vários anos.

A China, gigante consumidora de grãos, está estocando suprimentos, enquanto a Argentina suspendeu as vendas de milho para exportação até 28 de fevereiro. A Rússia está cobrando impostos sobre as exportações de trigo, cevada e milho.

O Banco Mundial disse em dezembro que os aumentos nos preços dos alimentos, combinados com a redução da renda, agravaram a fome crônica e aguda, atingindo famílias vulneráveis ​​em quase todos os países.

A FAO, sediada em Roma, disse em um comunicado que as colheitas mundiais de cereais continuaram em curso para um recorde anual em 2020, mas alertou sobre uma queda acentuada nos estoques e sinalizou grandes demandas de importação da China.

O índice de preços dos cereais da FAO subiu 7,1% na comparação mês a mês em janeiro, liderado pelos preços internacionais do milho. Eles dispararam 11,2%, cerca de 42,3% acima do nível do ano anterior, impulsionados em parte pelas compras da China e pela produção dos EUA abaixo do esperado.

Os preços do trigo aumentaram 6,8%, impulsionados pela forte demanda global e expectativas de vendas reduzidas pela Rússia quando sua tarifa de exportação de trigo dobrar em março de 2021, disse a FAO.

O açúcar subiu 8,1%, com preocupações com a piora das perspectivas de safra na União Europeia, Rússia e Tailândia, e com o tempo seco na América do Sul, aumentando a demanda de importação.

O índice de preços do óleo vegetal aumentou 5,8% para seu nível mais alto desde maio de 2012, impulsionado em parte pela produção de óleo de palma abaixo do esperado na Indonésia e na Malásia. Os preços da soja foram alimentados por oportunidades de exportação reduzidas e greves prolongadas na Argentina.

O índice de carnes registrou alta de 1%, liderado por fortes importações de aves, especialmente do Brasil, em meio a surtos de gripe aviária que prejudicaram as exportações de vários países europeus.

PRODUÇÃO DE CEREAIS

A FAO revisou sua previsão para a temporada de cereais de 2020 para 2,744 bilhões de toneladas, de uma estimativa anterior de 2,742 bilhões de toneladas feita em dezembro, com a produção de trigo e arroz aumentando.

A agência da ONU disse que a China estava importando quantidades inesperadamente grandes de milho nesta temporada, o que estava tendo um impacto significativo nas estimativas de utilização e estoques mundiais.

A previsão para a utilização mundial de cereais em 2020/21 foi colocada em 2,761 bilhões de toneladas, contra uma estimativa anterior de 2,744 bilhões.

A previsão para os estoques mundiais de cereais foi fixada em 802 milhões de toneladas, abaixo dos 866,4 milhões de toneladas anteriores.

"Nesse nível, a proporção mundial de estoques/uso de cereais cairia de 29,7% em 2019/20 para 28,3% em 2020/21, marcando uma mínima em sete anos", disse a FAO.

A previsão da FAO para o comércio mundial de cereais em 2020/21 foi aumentada em 10,6 milhões de toneladas para 465,2 milhões de toneladas --um aumento projetado de 5,7% em relação ao recorde da temporada anterior.