Mercado fechará em 3 h 24 min
  • BOVESPA

    112.662,05
    -1.515,50 (-1,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.257,91
    +93,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,79
    +0,78 (+0,96%)
     
  • OURO

    1.924,40
    -5,60 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    23.083,63
    -40,80 (-0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    522,59
    +5,58 (+1,08%)
     
  • S&P500

    4.065,85
    +5,42 (+0,13%)
     
  • DOW JONES

    33.969,77
    +20,36 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.766,87
    +5,76 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.151,00
    +44,25 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5179
    -0,0018 (-0,03%)
     

Telescópio James Webb faz registro da maior lua de Saturno e emociona cientistas

Telescópio James Webb faz registro da maior lua de Saturno e emociona cientistas (Foto: NASA)
Telescópio James Webb faz registro da maior lua de Saturno e emociona cientistas (Foto: NASA)
  • A NASA divulgou nesta semana uma captura feita pelo Telescópio Espacial James Webb (JWST) das nuvens de Titã;

  • As imagens e os dados registrados pelo telescópio emocionaram os cientistas;

  • Os pesquisadores identificaram duas nuvens, uma delas localizada acima do maior dos mares do satélite.

A NASA divulgou nesta semana uma captura feita pelo Telescópio Espacial James Webb (JWST) das nuvens de Titã, a maior lua de Saturno. As imagens e os dados registrados pelo telescópio emocionaram os cientistas, de acordo com um comunicado da agência espacial.

O objetivo era mapear a distribuição da névoa e identificar novos gases, entre outros pontos.Assim como a Terra, a composição de Titã tem predominância de água, uma vez que é feita de gelo , rios e mares preenchidos com metano líquido e outros hidrocarbonetos. Além disso, sua atmosfera é espessa e nebulosa, pontilhada com nuvens de metano.

Conor Nixon, um astrônomo do Goddard Space Flight Center da NASA em Maryland, providenciou para que o JWST passasse um total de 15 horas de seu primeiro ano estudando Titã.

E os cientistas ficaram entusiasmados com os dados que o JWST lhes enviou. “À primeira vista, é simplesmente extraordinário”, escreveu Sebastien Rodriguez, astrônomo da Université Paris Cité e colega da pesquisa, em um e-mail compartilhado no comunicado. "Acho que estamos vendo uma nuvem!"

Enquanto analisavam os dados, os pesquisadores identificaram não uma, mas duas nuvens, incluindo, curiosamente, uma localizada sobre Kraken Mare, o maior dos mares de Titã. Os cientistas logo foram inspirados a encontrar uma maneira de verificar novamente essas nuvens para entender como elas mudaram ao longo do tempo. A equipe procurou o Observatório Keck no Havaí, que conseguiu obter observações de Titã apenas dois dias após o JWST

"Estávamos preocupados que as nuvens tivessem desaparecido quando olhamos para Titã dois dias depois com Keck", disse Imke de Pater, astrônomo da Universidade da Califórnia, Berkeley, que lidera as observações de Keck sobre Titã, no comunicado. "Mas, para nossa alegria, havia nuvens nas mesmas posições, parecendo que haviam mudado de forma.

Os cientistas ainda não terminaram de explorar as observações. Eles identificaram as nuvens em imagens tiradas pela Near-Infrared Camera (NIRCam) do JWST, uma câmera poderosa que pode fotografar um alvo em vários comprimentos de onda diferentes de luz, o que no caso de Titã permite aos cientistas separar a atmosfera inferior.