Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.069,23
    -90,52 (-0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Telescópio Hubble detecta pela primeira vez buraco negro na Via Láctea

Telescópio Hubble detecta pela primeira vez um buraco negro na Via Láctea  (Foto: NASA/ESAvia Getty Images)
Telescópio Hubble detecta pela primeira vez um buraco negro na Via Láctea (Foto: NASA/ESAvia Getty Images)
  • O buraco negro está a 5.000 anos-luz de distância;

  • Enquanto estrela, pesava sete vezes a massa do Sol;

  • Astrônomos acreditam que 100 milhões de buracos negros na nossa galáxia.

Ao morrerem, estrelas massivas explodem transformando-se em buracos negros e pela primeira vez o Telescópio Espacial Hubble foi capaz de dectar um deles na Via Láctea. O ex-astro luminoso está a 5.000 anos-luz de distância, localizado em um braço espiral da galáxia chamado Carina-Sagitário

Segundo a equipe liderada pelo astrônomo Kailash Sahu, cientista do instrumento Hubble do Space Telescope Science Institute em Baltimore, o buraco negro dectado pelo Huble, enquanto estrela, pesava sete vezes a massa do sol

Apesar de haver muitos buracos negros como esse conhecidos pelos cientistas, eles são praticamente invisíveis no espaço e, portanto, muito difíceis de descobrir. Astrônomos acreditam que 100 milhões de buracos negros flutuantes vagam pela nossa galáxia.

Uma das maneiras de se detectar buracos negros é analisando o campo gravitocional extremamente forte gerado pelo fenômeno, capaz de desviar e amplificar a luz das estrelas que se alinha atrás deles. E foi justamente essa interferência gravitacional que o Hubble conseguiu perceber.

Ao perceberem dados promissores, duas equipes se mobilizaram para determinar a massa do objeto. Como dito anteriormente, a equipe liderada por Sahu mediu o buraco negro com sete vezes o peso do sol. Já a equipe liderada pela estudante de doutorado Casey Lam, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, chegou a uma faixa de massa menor, entre 1,6 e 4,4 vezes a do Sol.

“Seja o que for, o objeto é o primeiro remanescente estelar escuro descoberto vagando pela galáxia, desacompanhado de outra estrela”, disse Lam em um comunicado.

O buraco negro se aproximou de uma estrela de fundo localizada a 19 mil anos-luz da Terra em direção ao centro da galáxia, amplificando sua luz estelar por 270 dias. Os astrônomos tiveram dificuldade em determinar sua medição porque há outra estrela brilhante muito próxima daquela que eles observaram brilhando atrás do buraco negro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos